A Promessa da Rosa – Babi A. Sette

Estamos em Londres no século XIX, mais especificamente em 1840, onde bailes, vestidos pomposos e carruagens reinam e quando o status é algo de extrema importância. Kathelyn Stanwell é a belíssima filha de um conde de pulso firme, que acaba de começar sua primeira temporada. Com certeza ela seria uma debutante perfeita e um par ideal para algum nobre, porém Kathe foge dos padrões, sendo idealista, alguém que não gosta da nobreza, nem de suas regras e etiquetas, e está sempre aprontando alguma.
Em um baile de máscaras, ao qual fica imensamente feliz de ser convidada e de poder participar (já que tem um plano em mente), Kathe acaba conhecendo, em uma situação um pouco inusitada, um homem misterioso, bonito e completamente intrigante: Arthur Harold. Ela se encanta pelo homem e resolve dar um passeio pelo jardim com ele, comportamento completamente impulsivo da jovem, pois algo assim poderia manchar sua reputação. Mas ela tem certeza de que não o verá novamente, já que sua personalidade não deve pertencer à nobreza, afinal eles têm muito em comum e ele parece fisicamente distante da sociedade que ela tanto deseja escapar.
O que Kathelyn não poderia prever é que na verdade Arthur é ninguém menos do que o nono duque de Belmont, e que a ligação entre eles é ainda mais forte do que ela poderia prever. Já que ele é um duque no final das contas! Mas nem tudo são flores, e raiva, ciúmes, inveja e muitos mal entendidos vão se entrepor no caminho destes dois, que precisarão enfrentar mundos e fundos para se libertarem das barreiras da sociedade e também das que o próprio duque colocou entre eles. Kathe vai sofrer, vai lutar, ser desafiada e abandona por quase todos, então terá que ser forte e persistente para ir em frente. E ela irá. Mas no meio de tudo isso, ainda há uma coisa que pode fazer com que seu mundo se perca mais uma vez: seu coração.
Romances de época são grandes queridinhos meus da atualidade e, sempre que vejo o lançamento de um novo, já fico com vontade de ler. Apesar disso, ainda não li muitas obras do gênero, mas posso afirmar que “A Promessa da Rosa” merece destaque e vale muito a pena para quem gosta de romances do estilo, pois a autora conseguiu inovar e ser diferente de vários outros que li.
A historia é repleta de reviravoltas e não gira apenas em torno do relacionamento entre o casal principal, existem outras tramas paralelas ao romance, além de uma grande evolução dos personagens e uma exploração do pano de fundo da época, que mostra que Babi fez uma extensa pesquisa e conseguiu inseri-la muito bem no enredo de modo a só acrescentar conteúdo e qualidade ao mesmo.
A escrita de Sette é gostosa e fluida. A gente se sente tão inserida em tudo que ela escreve de uma forma tão envolvente, que nem percebemos o tempo passar quando estamos lendo. Só sei que estou torcendo para que a autora continue seu lindo trabalho e traga mais romances históricos lindos como este para nós, brasileiros, e também que ela consiga conquistar o mundo com suas palavras.
O grande destaque desta história foi, sem dúvidas, a protagonista, Kathelyn. Ela é uma moça muito a frente de seu tempo, forte, corajosa, determinada, entusiasmada, decidida, destemida, dona de uma personalidade forte e afiada, que ergue a cabeça e vai à luta, mesmo quando as probabilidades estão contra ela, e gostei de sua atitude no momento certo em relação a Arthur. A maioria das mulheres não teria pulso firme como ela teve e, mesmo tendo demorado um pouco para isso, gostei imensamente de suas atitudes. Kathe é admirável e gostei imensamente de conhecê-la e acompanhá-la nesta jornada que foi sua vida.
Outros personagens que merecem ser citados aqui são Sra. Taylor e Jonas, que se mantiveram ao lado da protagonista quando ninguém mais esteve. Quando Kathe, inclusive, estava na pior e passando pelo momento mais horroroso, o que também trouxe consequências a eles por estarem com ela. Também gostei de sua irmã, Lilian, mas suas participações foram menores.
Só não amei meu exemplar por dois motivos, ambos de cunho pessoal e que podem não ter o mesmo significado para outros leitores. O primeiro deles é que eu não gostei do duque de Belmont, ele conquistou o título de mais canalha de todas as histórias que eu já li na vida – e olha que foram muitas! – e eu não consigo gostar deste tipo de personalidade, então eu senti mais raiva e rancor dele do que todo o resto e não acho que ele tenha conseguido se redimir muito até o desfecho da leitura.
E é quando entra o segundo motivo de eu não ter amado esta obra: o final dela. Me incomoda o fato de estar todas aquelas páginas (que não são poucas, quatrocentos e trinta e duas) esperando acontecer uma coisa específica e a autora chegar no fim e decidir cortar justamente o que eu estava aguardando, deixando a cena sem conclusão e o final quase aberto, a não ser por um epílogo narrado por outras personagens no futuro, contando mais ou menos o que aconteceu. Mas eu não queria saber assim, eu precisava ver tudo ocorrendo no presente deles, sentir tudo o que queria e que esperei desde o começo. Então eu terminei a leitura com uma pontada de decepção, infelizmente.
Achei a narrativa de Babi fantástica! Ela consegue nos inserir na trama, nos acontecimentos, nos cenários de uma forma tão gostosa e realista que parece que nós estamos ali, pertinho dos personagens, dentro das páginas e acompanhando tudo em tempo real.
Outro ponto muito positivo que eu não poderia deixar de citar é a forma como a autora nos faz sentir. Adoro quando os escritores conseguem esta façanha, porque isso não acontece em todos os livros que leio e, quando ocorre, torna tudo muito mais especial. Todos os nossos próprios sentimentos ficam bem aflorados, suas palavras despertam alegria, satisfação, raiva, pena, incredulidade, esperança, amor, e muito mais, nos fazendo rir, sentir pesar, e alguns leitores mais sentimentais podem até deixar lágrimas rolarem.
Adorei este título, que tem tudo a ver com algo que acontece, mas que só vamos entender mais bem no finalzinho do livro. O significado é realmente bem bonito e achei perfeito para representar a obra.
Além do conteúdo mais do que maravilhoso, preciso parabenizar a Novo Século pela capa deste exemplar que não é menos do que perfeita. Amo-a profundamente. Tanto que sempre voltava para admirá-la enquanto estava lendo a história (rapidamente porque não queria perder muito tempo de leitura hahaha). A diagramação também é linda, todo início de capítulo é decorado com florezinhas ilustradas em tons na escala de cinza, e nas divisões dentro dos capítulos há flores sozinhas. As páginas são amarelas, e a fonte e os espaçamentos possuem tamanhos confortáveis para leitura.
Eu adorei este livro com tanta força e intensidade que não poderia deixar de indicar para todo mundo que curte romances de época. Se você também é fã deste gênero ou gostaria de iniciar suas leituras no mesmo, esta é uma ótima opção, pois além de embarcar numa história linda ainda vai prestigiar uma autora nacional talentosa, que merece muito carinho e reconhecimento. Então só posso finalizar com: leiam, leiam, leiam! 
Avaliação




Comente com o Facebook:

5 comentários:

  1. Estou doida pra ler esse livro, curto muito um romance histórico, amei Entre o amor e o silêncio, a escrita da Babi A. Sette é ótima, e cada resenha que leio dele me deixa ainda mais ansiosa em conferi essa história.

    ResponderExcluir
  2. Esse livro vai sem sombras de dúvidas pra minha meta de leitura. Tive o enorme prazer de conhecer a Babi na Bienal do Rio e fiquei louca por esse livro. Já li Entre o amor e o silêncio da autora e gostei bastante, e gosto muito de romances históricos e todas resenhas que li são muito positivas sendo assim pretendo comprar o mais rápido possível. Espero poder sentir toda a gama de emoções que você sentiu e me apaixonar ainda mais , se é que é possível.

    ResponderExcluir
  3. Eu amei este livro, mas confesso que a revisão foi o principal fator para eu não dar 5 estrelas no meu blog. A Novo Século, infelizmente, não tem um trabalho bacana de revisão... O Belmont também me irritou, e eu juro pra você, estava praticamente torcendo pra ela encontrar um cara melhor e ser finalmente feliz, sem tanto vai e vem.
    Beijos.

    www.historiamuda.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu amei este livro, mas confesso que a revisão foi o principal fator para eu não dar 5 estrelas no meu blog. A Novo Século, infelizmente, não tem um trabalho bacana de revisão... O Belmont também me irritou, e eu juro pra você, estava praticamente torcendo pra ela encontrar um cara melhor e ser finalmente feliz, sem tanto vai e vem.
    Beijos.

    www.historiamuda.com.br

    ResponderExcluir
  5. Kathelyn Stanwell realmente parece ser uma jovem obstinada!! Só que quando o amor bate a nossa porta, não há como escapar!! A capa do livro está linda!! Adoro romance de época e da Babi A. Sette melhor ainda!! O livro tem mais de quatrocentas páginas que nos proporcionar uma leitura rica e cheia de detalhes!!

    ResponderExcluir