O Jogador - Vi Keeland

Brody Easton é ninguém menos do que o quarterback do momento, além de ser lindo, dono de um corpo escultural e, claro, um jogador no outro sentido da palavra também. Ele não gosta de mulheres jornalistas fazendo entrevistas no vestiário masculino e decide provocar ninguém menos do que Delilah Maddox. E sabe qual é a melhor forma de fazer isso? Logo em sua primeira entrevista com a moça ele decide lhe mostrar t-u-d-o. Mas não são seus segredos que ele quer que ela veja. Deixando a toalha cair logo quando a câmera é ligada e ela faz sua primeira pergunta, Brody aparece para Delilah como veio ao mundo, deixando-a desconcertada. Mas se ele pensa que vai fazê-la desistir de seu trabalho, está muito enganado.
Com isso, Brody encontrou seu novo passatempo favorito: provocá-la, o que vai continuar fazendo mesmo depois que ela decide rejeitar sua proposta de sexo. E Delilah não vai voltar atrás, afinal ela não é uma garota igual às outras com quem ele está acostumado e não está à procura de sexo casual, pois não sai com jogadores (no outro sentido da palavra), enquanto ele não namora com ninguém devido a uma experiência ruim em seu passado. Até que Brody a conhece  melhor e percebe que talvez ele esteja pronto para seguir em frente. Só que nem tudo é tão fácil quanto parece e algumas situações vão surgir pelo caminho dos dois, que precisarão entender se o que sentem é realmente verdadeiro ou não passa de ilusão.
“Há uma história entre o era uma vez e o viveram felizes para sempre... E esta é a nossa.”
Como já comentei antes aqui no blog, sou fã de Vi Keeland, que sempre consegue me conquistar com todas as suas obras e dessa vez não foi diferente. Dos cinco livros da autora que foram publicados no Brasil, este foi o quinto que li e que me deixou apaixonada (sim, adorei todos!). Ela definitivamente tem o dom das palavras e sabe nos conquistar com tramas envolventes, personagens carismáticos e um romance maravilhoso.
Algo que gosto na escrita de Keeland é a forma como desenvolve o romance, já que nada ali é forçado ou algo que nos faça questionar se existiria algo semelhante assim na vida real. Pelo contrário, os personagens se envolvem de uma maneira tão natural e crível que a gente até acredita que aquilo poderia ser de verdade.
A leitura é essencialmente leve e descontraída, com cenas românticas, pitadas de comédia e um ótimo desenvolvimento de enredo. E, para quem gosta de um bom drama para fazer chorar, “O Jogador” também conta com cenas de partir o coração. Considero que essas diversas nuances fazem da obra uma trama completa.
Adorei os protagonistas com todo o meu coração. Brody é maravilhoso e apaixonante, mas gostei mesmo foi de Delilah com sua personalidade incrível, sendo uma mulher bem resolvida e determinada que não aceita as coisas com facilidade e corre atrás do que quer. Achei ótimo que ela não tenha cedido ao Brody logo no primeiro instante, como muitas mocinhas geralmente fazem nos livros só porque não conseguem resistir ao charme e a beleza do homem (principalmente quando ele é rico e – ainda mais – famoso), o que acaba me irritando. Então ver que ela não é igual a várias outras só a deixou ainda mais especial aos meus olhos.
Ambos os personagens viveram situações dolorosas em seus passados e vamos desvendando-as aos pouquinhos, e assim podemos entender melhor quem são no presente.  A trama contém algumas reviravoltas, incluindo uma que eu realmente não estava esperando. Gostei de ter sido pega de surpresa, porque isso me deixa mais interessada ainda nos acontecimentos, desejando saber o que viria a seguir.
A narrativa é em primeira pessoa em capítulos alternados com os pontos de vista de Brody e Delilah, e depois de uma personagem que surge pelo caminho e quer nos mostrar um pouco de sua história. Esse recurso é meu preferido, pois assim conseguimos entender com maior profundidade os sentimentos e maneira de agir de cada um, nos aproximando deles como pessoas.
Sobre as partes quentes da trama, elas estão presentes, sim. E acontecem na quantidade ideal para serem vistas como uma evolução natural do relacionamento do casal e como consequência do mesmo, e não como parte principal da trama, ofuscando todo o resto. Esse é o meu tipo preferido de romances, porque acho que muitos autores acabam colocando cenas de sexo em excesso, tirando, assim, o foco do o amor e da melhor parte, o desenvolvimento do enredo, e esse não foi o caso. Então muitos pontos para Vi Keeland.
Preciso confessar que acho um desperdício esse exemplar não fazer parte de uma série independente (com outros protagonistas, mas no mesmo "universo), pois, na verdade, é um volume único. Sei que grande parte dos leitores está cansado de séries, mas quando eu leio algo que tem personagens secundários tão maravilhosos e com histórias com potencial para ganhar seus próprios livros, fico desejando que a autora nos dê esse presente.
Por exemplo, nesta obra eu desejei que pelo menos duas outras personagens ganhassem suas próprias histórias, afinal também merecem ser felizes – uma delas, inclusive, é quebrada e quer encontrar a redenção e acho que seria lindo ela ter essa oportunidade e a gente ter a chance de vê-la vivenciando isso. Uma é a melhor amiga de Delilah, Indie, que é muito divertida, alto astral e dona de uma personalidade maravilhosa. A outra não posso comentar quem é porque seria spoiler – admito que não gostei muito da presença dela nesta obra porque fiquei com ciúmes (quando gosto muito da protagonista, desejo defendê-la como se fosse minha amiga de verdade), mas sua personalidade é interessante e eu provavelmente ia adorá-la em sua própria história.
Espero que a Editora Charme continue publicando novas obras de Vi, que já tem inúmeros exemplares lançados no exterior, inclusive parcerias com ninguém menos do que Penelope Ward. Aqui no Brasil temos a trilogia de romances eróticos “MMA Fighter”, que já está completa com os livros “O Destruidor de Corações, “O Invencível” e “O Sedutor”, assim como sua parceria com Dylan Scott, “Deixados Para Trás”, um jovem adulto muito bacana. Quem quiser ler as resenhas com as minhas opiniões sobre algum deles, basta clicar nos títulos.
Como fã de Vi Keeland, não poderia deixar de recomendar mais um de seus deliciosos livros para todos os leitores que curtem romances com protagonistas maravilhosos, uma trama divertida, momentos dramáticos, muitas reviravoltas e cenas quentes. Mesmo com pontos clichês, ela consegue inovar, entregando-nos uma obra completa e apaixonante.
Avaliação



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário