Talismãs - Uma Geração, Todas as Decisões #03 - Eleonor Hertzog

Alguns livros tem a capacidade impar de despertar ódio e amor, e devo confessar não consigo lidar bem com a raiva ao mesmo tem em que gosto de alguma coisa, soa como traição ao meus sentimentos. Mas não posso fazer nada alguns livros o fazem, como Talismãs (Uma Geração. Todas as Decisões #03), da autora Eleonor Hertzog, publicado pela Mundo Uno.

Depois de alguns dias pacíficos ao mar a família Melbourne não espera mais passar por grandes aventuras. Os elos estão sob controle, Peggy parece mais calma e se aproxima a data para as aulas na Escola Avançada de Champ-Bleux, e o coração destes filhotes começa a apertar. Mas uma noite repleta de sombras e seres que eram lenda lembra esta família que nada é comum ao lado deles, e novas descobertas sobre si mesmos e o mundo ao seu redor se mostram a bordo.

Não me lembro se já disse, mas mesmo correndo risco de soar repetitiva é um desafio criar uma sinopse para os livros destas série. Criei a minha em cima dos personagens mais frequentes do livro, mas devo dizer que falhei em abranger tudo que o livro se propõe a narrar. A narrativa em terceira pessoa de Hertzog continua como em seus volumes anteriores, muito particular e com um toque de sarcasmo ao 'normal'. E infelizmente continua com o mesmo problema de seu anterior muitos diálogos, e quando eu digo muitos eu falo de quase três capítulos de tamanho médio apenas focados no diálogo de um pai e de um filho (Peter e Robert). Este diálogo é focado em um evento que ocorreu no livro anterior, e eu não achei um ponto bom para o início do livro.

Logo acredito que o tamanho do livro poderia ter sido menor tanto se a autora fosse mais objetiva, e se tivesse terminado a trama onde de fato ela parecia ter acabado. Em determinado ponto do livro, antes das páginas 400 existe um ponto após a ação no mar que é representada na capa do livro, em que tudo caminha para um desfecho. Mas o que ocorre é a retomada da estória não sob este aspecto, mas dos alunos da Escola Avançada e o toque de recolher. Outro aspecto surge, os alunos que até então não tinham aparecido voltam. Dai a minha raiva porque a estória é excelente, mas acaba cansativa e muito longa. Se o livro tivesse terminado antes seria mais leve e despertaria interesse pelo próximo. Não gostei dos capítulos finais, eles seriam ótimos para o começo do próximo livro.

Senti muita falta de um mapa físico do mundo que a estória se ambienta já que muito lugares são citados, assim como uma árvore genealógica de algumas casas também ajudariam muito na compreensão de tantos personagens, especialmente porque as linhagens de Atlântida são diversas. Ao final do livro existe um índice com os principais termos e nomes, mas aquilo que não fica compreendido continua porque eles são breves.
As raças terráqueas são mais exploradas, ou seja, os atlantes que habitam abaixo das águas, mas embora algumas explicações sejam dadas ainda são sutis, e a minha curiosidade com esta civilização com rabo de peixe continua enorme. Outra raça nova surge brevemente com características felinas. E quanto mais costuras mais detalhes, mais Hertzog consegue ampliar e aprofundar o todo.

Mas espere você nesta altura do texto deve achar que eu não gostei do livro não é mesmo? Mas lembra que tinha amor envolvido? Sim, eu me senti como os adolescentes da trama que querem saber mais sobre tudo e que acabam apenas com uma parte da verdade, porque os adultos aqui são muito chatos e protetores (salvo Henry e Doris), mas também senti o amor que a tudo envolve.

Peggy continua como uma das personagens centrais, mais de seus talentos surgem, e um pouco mais de sua estória também. Embora tenha um temperamento instável é uma garota doce que todos querem por perto. Assim como seu dirlon, Peter, que acaba por descobrir seu lugar no mundo, mesmo que seus pais não o reconheçam.

Meus personagens favoritos continuam sendo os pais Melbourne, é tanta inteligência, sabedoria e conhecimento juntos, aliados a um bom humor e bom senso que não tem como resistir! O mais chato da vez é Robert, um tio muito mal resolvido que não consegue reconhecer as coisas boas que tem ao seu redor!

Ah sim, destaque para Don, o curandeiro da lente que tem uma estória de vida um tanto interessante, e Ric um extraterrestre repleto de segredos que descobriu a alegria de viver novamente a bordo do Cisne.

A autora comentou que está série teria quatro livros, então temos mais um livro a caminho. Minha pergunta é se ele se focará na pequena viagem e o toque de recolher destes escolhidos ou se vai ser na escola. Porque pelo tanto de estória que pode surgir a escola deveria ter uma série só dela, afinal eles passarão dez anos por lá!

Talismãs tem alguns problemas estruturais é verdade, mas todo o resto é tão bom que você acaba perdoando, e esperando por mais, lembra amor + ódio rs! Mais diversão com a família Melbourne, mas esquisitice com Merine e mais lições com o povo do mar. Hertzog estou pronta, pode seguir com sua estória que digna de seriado no netflix!!

Avaliação







Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário