Especial Mangás: Kimi ni Todoke de Karuho Shiina


Olá pessoal! Mais uma vez vou falar sobre um mangá. Para quem procurou assistir o anime ou ler o mangá Honey & Clover e para aqueles que não se interessaram pela minha primeira recomendação, aqui vai mais uma dica: Kimi ni Todoke.
Kimi ni Todoke foi lançado no Japão em 2006. O mangá ainda não foi finalizado no Japão, tendo um total de quinze volumes lançados até o momento. No Brasil, Kimi ni Todoke é publicado pela editora Panini, com oito volumes já lançados.
Kimi ni Todoke – Que chegue a você, título da edição brasileira, tem como protagonista Sawako Kuronuma, uma jovem ingênua que não tem amigos por ser considerada assustadora pelos outros estudantes do colegial.
Alguns estudantes acreditam que ela é capaz de fazer magias e até mesmo exorcismos, tudo porque Sawako é parecida fisicamente com a personagem Sadako do filme “O Chamado”. Devido à semelhança até mesmo de seu nome com o da personagem desse filme de terror, Kuronuma é conhecida na escola por Sadako.
As semelhanças com Sadako fazem com que muitos alunos tenham medo de Sawako, evitando assim qualquer contato com a garota. Apesar desse isolamento, Kuronuma é uma garota muito gentil, que está sempre tentando ajudar as pessoas e esclarecer os diversos mal-entendidos que surgem por causa de sua dificuldade em se expressar.
A vida de Sawako começa a mudar quando o garoto mais popular da classe, Shouta Kazehaya, fala normalmente com ela, sem demonstrar nenhum medo. Sawako admira Kazehaya há algum tempo, por causa da gentileza e da facilidade com a qual Shouta se dá bem com todos os seus companheiros de classe.
No início, Kazehaya é visto como um ídolo por Sawako, que procura fazer o seu melhor para se relacionar bem com as pessoas, seguindo assim o exemplo de Kazehaya. O que Sawako demora a perceber é que Shouta também a admira e nutre sentimentos por ela.
A forma como Sawako se esforça para se aproximar das pessoas é cativante. Aos poucos, ela vai fazendo amigos e, consequentemente, vivendo novas experiências. Entre esses amigos estão a decidida Ayane Yano e sua melhor amiga, a engraçada e carismática Chizuru Yoshida, e o amigo de infância de Chizuru e melhor amigo de Kazehaya, Ryu Sanada.
Ayane Yano, Chizuru Yoshida, Ryu Sanada, SawakoKuronuma, ShoutaKazehaya e KazuichiArai
Não é à toa que Kimi ni Todoke é um sucesso de vendas tanto no Japão quanto nos Estados Unidos. A história conta com diálogos bem construídos, personagens cativantes, sentimentos fortes e confusos, uma arte bonita e um enredo capaz de fazer o leitor suspirar e esperar ansiosamente pelo próximo volume.
Kimi ni Todoke tem o dom de me emocionar em todos os volumes. É impossível não torcer pelos personagens, não se identificar ao menos com algumas experiências retratadas no mangá e não se emocionar com os dilemas enfrentados, com as situações vividas e com os obstáculos que os personagens têm que superar em busca da felicidade e do crescimento pessoal.
Embora alguns personagens pareçam perfeitos demais, todos eles têm suas dúvidas e seus problemas. Dúvidas e problemas que serão confrontados por cada um deles em algum momento da história, acompanhados da torcida e, muitas vezes, das lágrimas do leitor.
Mas não só de lágrimas é feita a história. Kimi ni Todoke também diverte, pois conta com momentos engraçados, muito graças à Chizuru, à própria Sawako e ao professor Kazuichi Arai (mais conhecido como "Pin").
Para os que gostam de mangá, Kimi ni Todoke é uma leitura indispensável. Para os que nunca leram um mangá, esta é a chance de começarem! Os que não gostam dos quadrinhos japoneses podem acompanhar a história através do anime, que conta com vinte e cinco episódios.
>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


Retrato do meu Coração – Patricia Cabot


“Retrato do meu coração” é a sequencia do livro “A rosa do inverno” que já foi lançado no Brasil, porém por uma editora diferente. Eu ainda não li o primeiro título e como consegui acompanhar bem a leitura, acho que, apesar deles serem sequência, são como histórias independentes. Então se você, como eu, ainda não leu “A rosa do Inverno” e quiser começar por “Retrato do meu coração” vá em frente.
O livro conta a história de Maggie, uma mulher muito bonita e uma excelente pintora, que tem o dom de pintar qualquer coisa ou pessoa de forma perfeita. Ela tem a cabeça muito à frente das pessoas de seu povo, uma vez que suas ideias e suas atitudes não são apropriadas para a época.
Na história Maggie foi criada com Jeremy Rawlings, um garoto baixinho e magricela com quem compartilhava uma amizade e ao mesmo tempo vivia brigando. No entanto eles ficam cinco anos sem se ver quando Jeremy parte da sua cidade para fazer faculdade e, ao retornar, ele fica encantando em ver que sua antiga amiga de infância, que era desengonçada e alta, virou uma bela e atraente mulher.
Mas esse encontro que aconteceu de um jeito um pouco fora do comum acaba despertando sentimentos em ambos e mais tarde, no mesmo dia, eles acabam se beijando até serem interrompidos pelo tio de Jeremy que fica chocado com a cena. Esse acontecimento desperta uma briga entre Jeremy e seu tio, e ele então decide se alistar no exército para poder voltar mais maduro e poder se casar com o seu amor.
Jeremy é mandado para Índia e lá fica por mais cinco anos sem ver sua amada Maggie. Nesse tempo muita coisa acontece, nossa protagonista vai estudar artes em Paris, e ambos acabam conhecendo novas pessoas. O que posso dizer sobre o reencontro dos dois depois de todo esse tempo? Leiam, pois não irão se arrepender.
Como é característico de Cabot, os personagens são muito bem construídos, de forma que nos encanta, além de nos divertir sempre com seus diálogos inteligentes e bem humorados.  A história nos envolve, prendendo o leitor de uma forma que fica difícil de largar. Assim que comecei a ler não consegui mais parar. A leitura é rápida e flui muito bem.
Outra característica bastante marcante é a ironia que os personagens da história trazem consigo, o que é bem divertido, mesmo o humor ácido de Jeremy nos arranca algumas risadas.
O livro é um romance histórico, então muitas cenas calientes são narradas em toda trama, por isso, se esse fato te incomoda, você provavelmente não vai gostar muito de “Retrato do meu coração”. Mas se você como eu, não liga, pois o que importa mesmo é o enredo maravilhoso deste livro, então provavelmente vai adorar.
A capa do livro é maravilhosa, o jogo de cores escolhidos está tão lindo que fico admirando a capa o tempo todo. O trabalho gráfico feito pela Record está, como sempre, impecável, o que só aumenta ainda mais as qualidades desse livro.
Acho que todo mundo já sabe, mas caso alguém ainda não saiba Patricia Cabot é um pseudônimo de Meg Cabot (autora de diversos livros, como Diário da princesa). Ela usa esse pseudônimo para lançar seus romances históricos.
Super recomendo a leitura para todos, e espero que vocês se divirtam tanto quanto eu.
Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


A culpa é das estrelas - John Green

   “A culpa é das estrelas” é o mais recente sucesso do escritor estadunidense John Green. O livro conta a história de Hazel, uma garota que sofre de um câncer na tireoide que se manifestou em outras partes de seu corpo. Ao frequentar uma sessão de terapia em grupo, a adolescente conhece August, sobrevivente de um câncer nos ossos que o obrigou a amputar uma das pernas. Desse encontro nasce uma comovente história de amor capaz de emocionar todos os tipos de leitores.
   A sinopse pode parecer um clichê comum em adaptações hollywoodianas, tipicamente compostas por diálogos cansativos e repletos de um romantismo exagerado e inverossímil. A narrativa, porém, mostra competência para ultrapassar esses conceitos: ainda que o amor seja um importante tópico abordado, a história vai muito além. Gus e Hazel não são caricatos, não representam o clássico perfil do jovem doente que muitas vezes é transformado em mártir. John constrói os personagens com uma maestria invejável, e se recusa a torná-los amargurados, apesar da triste realidade na qual estão inseridos.
   A linguagem usada pelo autor é muito pertinente. Ao inserir gírias em alguns pontos, John nos lembra de que a narradora poderia ser qualquer adolescente, mas não uma adolescente qualquer. A  personalidade marcante de Hazel é mais um aspecto muito positivo para o livro. Mesmo os acontecimentos paralelos, como a relação de Monica e Isaac – amigo de August –, são observados por ela com sagacidade.
   O cotidiano assume uma importância impensável. O livro se desenrola de maneira tocante, e não apresenta o estereótipo de “final feliz”. A intenção de Green parece ter sido exatamente esta: demonstrar que um final feliz muitas vezes não é possível, mas essa inexistência é superada por “inícios e meios” felizes. E, definitivamente, o início e o meio do casal são suficientemente felizes.
   Depois dessa resenha nada imparcial, não preciso dizer que “A culpa é das estrelas” entrou rapidamente para as primeiras posições no meu ranking de favoritos. Creio que a história é uma daquelas que deveriam ser lidas por todas as pessoas que desejam se sentir inspiradas e vivas. O livro comove e surpreende, e, ainda que explore assuntos nada fáceis de lidar, mostra-se como um fantástico exemplo da infinita capacidade humana de superação.

Quote

“Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre o 0 e o 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e 2, ou entre o 0 e o 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros... Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter.” 

(Contra-capa)


Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO



A Sociedade Secreta da Bola de Cristal Cor-de-Rosa – Risa Green

Em “A Sociedade Secreta da Bola de Cristal Cor-de-Rosa” podemos conhecer Erin, uma adolescente estudiosa e comum, que não acredita em nada que não possa ser cientificamente explicado. Ela é a cética em pessoa e por isso quem a conhece acha que ela “não pensa fora da caixa”, o que a impede de viver aventuras e se divertir.
Até que sua tia favorita morre e deixa de herança para ela uma bola de cristal cor-de-rosa com umas dicas bem misteriosas que ela e suas amigas precisavam desvendar para descobrir como a tal bola mágica funciona, não que Erin acredite nisso.
Suas duas melhores amigas são bem diferentes da protagonista, Samantha é bem patricinha, rica e com bastante senso de estilo, ela adora se vestir com as roupas de sua mãe que era modelo, apesar de não se dar bem com seus pais, já Lindsay é aquele tipo de menina boazinha que só quer o bem das pessoas – ou quase todas – e é toda esotérica e acredita no poder dos cristais e essas coisas. Juntas, elas convencem Erin a testar a tal bola e acabam descobrindo que ela pode mudas suas vidas para melhor.
Gostei bastante de todas as personagens, principalmente por serem bem diferentes entre si, e, apesar de o livro ser narrado em primeira pessoa, esse fato resulta em várias visões diversificadas sobre as coisas que envolviam as três meninas. E é sempre bom poder refletir opiniões diferentes sobre um mesmo assunto.
Gostei muito da Erin, ela é uma ótima protagonista, e soube conduzir a trama bem. Inclusive foi bem legal acompanhar o amadurecimento dela com o passar das páginas. O romance é fofo e Jesse é uma gracinha, gostei muito da interação entre os dois e como o relacionamento foi desenvolvido.
O livro também trás assuntos mais sérios, como bullying. Mas, como todo o livro, ele também é tratado de uma forma mais leve, mais para mostrar que ele existe, e também para percebermos que é possível se livrar disso sem que ninguém saia ferido.
O final é esperado, mas também foi diferente do que imaginei, a única coisa que não gostei muito é que deixou livre para criarmos nossas próprias interpretações do que iria acontecer e eu prefiro quando a história tem um final mais fechado, pelo menos nessas situações que quero saber o que vai acontecer desde o começo.
Parabenizo a Jangada pela parte gráfica, que ficou bem legal. A capa é a mesma que a original, e é linda e tem tudo a ver com o enredo, a contracapa é rosa e as páginas amarelas.
Com uma narrativa envolvente e rápida, o livro cumpre o que promete e nos presenteia com uma história adolescente, com aquele ar leve e descontraído que te faze refletir sobre o que deve ser mais importante na vida.
Se você curte histórias juvenis fofas, com muita amizade, companheirismo, amor, diversão, muitas confusões e com personagens carismáticos e fofos, então recomendo a leitura desse título.
Avaliação




 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


Predestinados – Josephine Angelini


De uma mistura de Romeu e Julieta com mitologia grega, eis que surge a história de amor de Helen e Lucas (como é uma série, ainda não sei o final, só espero que não termine em tragédia também!), dois jovens que se conhecem no colégio quando a família dele se muda para Nantucket, pequena ilha em que ela vive com seu pai.
Logo quando coloca Helen os olhos em Lucas pela primeira vez, ela sente uma vontade incontrolável de... matá-lo! Helen fica confusa com esse sentimento que nasce nela, já que nunca sentiu nada parecido antes, muito menos por alguém que nem ao menos conhecia. E o pior é que todos da escola a viram atacá-lo e agora ela passa a ser o centro dos olhares de todos, tudo o que ela menos deseja na vida, já que é tímida e odeia se expor.
Com o passar das páginas, podemos entender, junto com Helen, o que está causando esse desejo de matar Lucas, ao mesmo tempo em que vamos aprendendo sobre sua origem, e consequentemente sobre uma maldição que aconteceu na Grécia antiga e que acaba afetando-a diretamente.
Gostei muito que a autora saiu do tradicional (vampiros, anjos, fadas, etc.), e abordou um tema menos utilizado em YA por aí. Não é que eu não goste do tradicional, pelo contrário, adoro, mas é sempre bom conhecer universos diferentes dentro da literatura. Quem gosta de mitologia grega, tenho certeza que vai se encantar com a história de “Predestinados”, que aliás é um título perfeito.
Gostei de todos os personagens. Achei bem interessante Helen ser tímida e ficar nervosa em público ou quando se torna o centro das atenções, já que muitos personagens que conhecemos, mesmo os que se dizem tímidos, acabam agindo bem diferente disso. E olha que, para Helen é mais difícil sair despercebida já que é dona de uma beleza incrível, característica dos Descendentes. A melhor amiga dela, Claire, é uma personagem ótima e uma boa companheira, e eu me divertia com ela sempre.
Também gostei bastante de Lucas e sua família, todos os personagens bem construídos e com personalidades próprias, mas especiais do mesmo jeito. A família Delos me lembrou muito a família Cullen, tanto em termos de união e possuir opiniões diferentes dos outros da mesma “espécie”, quanto em características pessoais dos personagens.
Achei bem legal a forma como a história foi conduzida, com as explicações sendo dadas nos momentos certos, a maneira com que Helen aprendeu a usar seus dons foi desenvolvida gradativamente (o que eu acho correto), e os sentimentos foram surgindo com o passar dos acontecimentos, além disso, o modo como ela começou a interagir com a família Delos e aprender sobre ser uma Descendente foi muito bem introduzido também.
O romance do livro ficou nessa coisa de proibido e tinha horas que me dava agonia, mas eu gostei como acabou se desenrolando com o passar das páginas e acho que as explicações que tem a ver com os dois juntos foram bem desenvolvidas e explicadas, e estou doida para saber o que vai acontecer nos próximos volumes.
O final me surpreendeu, já que eu não esperava que tudo que aconteceu iria mesmo terminar assim, e isso é sempre um ponto positivo. Além disso, deixa ganchos ótimos para a continuação e eu adoro esse recurso em livros de série.
Nossa, essa capa está incrível! Acredito que qualquer pessoa que goste de capas vai se apaixonar por essa, que é a mesma da original, e a Intrínseca fez um ótimo trabalho com a impressão, todo o fundo em volta de Helen é metalizado, dando um maior destaque para a personagem e o título é em alto relevo. Linda! E o melhor é que realmente tem algo a ver com a história!
Com uma narrativa explicativa, bem desenvolvida e que flui de maneira rápida e envolvente, “Predestinados” é um ótimo livro para quem gosta de YA e está em busca de um enredo original, com um pano de fundo incrível, muitas reviravoltas e personagens incríveis. E é claro que eu recomendo.
Avaliação



 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


Promo Belo Desastre + Top Comentaristas


Oii gente! Hoje tem promoções ótimas no post, a primeira é de um livro maravilhoso que está dando o que falar na blogosfera e também fora dela: Belo Desastre de Jamie McGuire, que tem resenha no blog e vocês podem conferir clicando no título.
Também trago as regras do Top Comentaristas 06 e o resultado do 05, que está no final do post, confira para saber se foi o grande vencedor! =D Chega de papo e vamos ao que interessa!



Promoção Belo Desastre
Essa promoção fizemos em parceria com a Verus, para quem tem Facebook, e é super fácil de participar. Boa sorte a todos!
Regras:
>> Clicar na Aba Promoções
>> Permitir o app do sorteie.me
>> Clicar em Quero Participar
O sorteio será realizado no dia 16/09/2012.



Regras do Top Comentaristas 06
Regras:
>> Deixar um comentário (que tenha conteúdo e que tenha a ver com o post. Comentários do tipo: Adorei! ou similares não vão valer!) em qualquer post participante do Top Comentaristas Nº 06 – Começa do Post “Os 13 Tesouros - Michelle Harrison”;
>> Preencher corretamente o formulário encontrado no final de cada post;
>> Estar presente em pelo menos uma das redes sociais do blog (Ser seguidor do Twitter @HouseofChick e/ou Curtir a Fan Page do House of Chick no Facebook)

Atenção!
Sem o preenchimento do formulário a participação não será validada!

Ganhador:
Será o ganhador aquele que mais comentar nos posts válidos no período da promoção, sem esquecer-se de preencher o formulário. Em caso de empate será feito um sorteio entre todos os empatados.

Prêmio:
>> Livro “Dezessete Luas” de Kami Garcia e Margaret Stohl;
>> Kit com 10 marcadores diversos

Período:
>> Esse Top Comentaristas tem início no dia 22/08/2012 e vai até o dia 23/09/2012.

Resultado do Top Comentaristas 05
Como sempre, quero agradecer a todas as pessoas lindas que participaram. Adoramos ler seus comentários, muito obrigada!
Esse mês também teve empate, então fizemos o sorteio entre as maiores comentaristas.
1 - Bruna Costenaro
2 - jeniffer haddad
3 - Anna Gabriella Barbosa
4 - Érica Ricardo Marinho
5 - Mayara Fernandes
6 - Thais Cristina Vieira Vianna
7 - Lorrany Rodrigues de Andrade

Parabéns, Bruna! Mande seus dados para promo.hoc@gmail.com que em breve enviaremos seu prêmio!

 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


Os 13 Tesouros - Michelle Harrison

Desde que esse livro foi lançado pela editora Bertrand fiquei morrendo de vontade de ler. Sua capa maravilhosa logo me chamou atenção, e assim que li a sinopse fiquei louca por esse título.
“Os 13 Tesouros” conta a história de Tanya, uma menina não tão comum, já que ela pode ver e interagir com fadas. Mas, diferente do que estamos acostumadas a ver por aí, as fadas são criaturas malvadas que ficam atormentando a vida da protagonista de tal forma que sua mãe acaba enviando-a, com apenas 12 anos, para morar durante duas semanas com sua avó em sua mansão devastada, isolada, e perto de uma grande floresta.
Florence, a avó de nossa protagonista nunca demonstrou nenhum tipo de carinho por sua neta, espantando-a bastante quando ela a presenteou com uma pulseira de 13 pingentes. Misteriosa, bem fechada, uma pessoa que não é de conversar muito, essas são algumas das características de Florence.
No casarão ela acaba passando um tempo junto com Fabian, o filho do caseiro que tem praticamente a mesma idade que ela e que consegue a irritar bastante. E é junto com eles dois que vamos entrando nesse mundo de aventuras.
No bosque do Carrasco, a floresta bem perigosa que fica próxima à residência de sua avó, uma jovem chamada Morwenna Bloom desapareceu há quase 50 anos. Mas quando Tanya entra na floresta para procurar seu cachorro perdido com a ajuda de Fabian, ela acaba vendo uma garota que poderia jurar ser essa menina desaparecida.
Tanya então tem que revelar muitos mistérios, ser bem corajosa e descobrir sobre a sua vida e das pessoas que estão ao seu redor. O seu dom de ver fadas pode ter um significado muito maior do que ela pensa, e tudo pode estar entrelaçado.
Gostei bastante de como a autora conduziu a narrativa e pela sua maneira leve e cheia de mistérios e segredos. A protagonista é do tipo bem forte, que não fica se lamentando pelos cantos, e a história é bastante criativa e bem original. O final foi do daqueles surpreendentes, que esclareceu diversas coisas, mas ainda deixou outras para os próximos volumes.
A narrativa é em terceira pessoa e, apesar de no início do livro ser um pouco confusa, ela vai entrando no eixo no decorrer da história, nos fazendo ficar presas à leitura, por ser bem envolvente. A construção dos personagens é bem rica e é uma leitura bem rápida e agradável. Com bastante suspense e ação, esse é um livro que eu definitivamente recomendo.
A capa é perfeita ao vivo. Pelo menos eu amei, e acredito que ela representa bastante a história do livro. Vamos torcer para que os próximos volumes sejam logo traduzidos para o português e que a Bertrand traga eles bem rapidinho, pois a história é incrível.
Avaliação






>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


Belo Desastre – Jamie McGuire


Em “Belo Desastre” conhecemos a história de amor obsessivo entre Abby e Travis, personagens bem diferentes que se envolvem de maneira intensa e viciante. Tudo acontece quando ela acompanha sua melhor amiga, America, com seu namorado, Shepley (primo de Travis) a uma luta que acontece em esconderijos pela faculdade.
Assim que se conhecem, Abby o vê como um mulherengo bad boy que consegue todas as mulheres com apenas sua presença, e tudo o que ela mais quer é manter distância de caras desse tipo. Travis logo se interessa por ela sexualmente, e pretende ficar com ela, como faz com todas as outras. Mas isso não será tão fácil para ele dessa vez, já que Abby precisa e vai evitá-lo de qualquer maneira, deixando-o intrigado por não conseguir seduzi-la tão facilmente.
 Antes de uma luta ele decide fazer uma aposta com ela: se perder fica sem sexo por um mês, se ganhar ela vai morar com ele em seu apartamento pelo mesmo período de tempo. Ela concorda, mas logo avisa que isso não vai fazer com que ela vá para cama com ele.
A aposta vira amizade, a amizade passa a ser paixão, que se transforma em um amor obsessivo, vivido através de um romance arrebatador.
“Belo Desastre” é um desses livros que muitos vão amar, outros nem tanto. Eu faço parte do primeiro grupo e afirmo que a escrita deliciosa de Jamie me conquistou total e completamente e, é claro, o título entrou diretamente para a minha lista de favoritos de todos os tempos.
Quando recebi o livro, de surpresa, logo me interessei pela sinopse e, já que gosto de livros do estilo, quis ler diretamente, então ele passou na frente da minha lista de leitura. E só posso dizer que fiquei muito feliz por ter feito isso, afinal, depois de toda a obsessão que esse livro se tornou, afirmo que foi gratificante poder lê-lo.
Essa poderia ser uma história normal: garota conhece garoto, garoto quer ir para a cama com ela, garota recusa, garoto não desiste e acaba conquistando a garota. Mas, eu preciso colocar a culpa (no bom sentido da palavra) do sucesso desse livro na autora, Jamie McGuire. Sem sua forma de escrever, sua maneira de manter o leitor ávido por mais, página a página, esse seria apenas mais um livro no meio de tantos outros, mas não é. Então preciso parabenizá-la por transformar uma história comum em algo absolutamente maravilhoso e viciante (É verdade. Se você conhecer alguém que leu esse livro, pergunte quanto tempo demorou para terminar a leitura, com certeza foi pouco! Hahaha).
Abby é uma ótima protagonista. Logo no início do livro podemos conhecê-la como uma garota certinha, que veste cardigãs e usa brincos de pérolas, e fica “assustada” com o submundo de sua faculdade, onde ocorrem as lutas de Travis “Cachorro Louco” Maddox, um local escondido, sujo e barulhento, onde há mais pessoas do que deveria ser permitido em um espaço como esse, que só querem beber, ver sangue e se dar bem em suas apostas. Mas, depois que vamos a conhecendo mais, podemos perceber que ela é muito mais do que aparenta ser e há mais coisas por baixo da superfície do que deixa transparecer.
Aí temos o Travis Maddox. Ah, o Travis! Ele pode ter diversas características não tão favoráveis: mulherengo, não se importa com sentimentos alheios (das mulheres com quem fica), esquentado, violento (bom de briga), ciumento, paranoico, possessivo, controlador, impulsivo, um verdadeiro bad boy. Lendo assim até parece que ele não é lá uma boa coisa. Mas ninguém é perfeito e essas são apenas as partes ruins desse homem incrível e sexy, dono de um admirável abdômen definido e cheio de tatuagens. Travis apaixonado é O Homem, aquele tipo que diversas mulheres sonham em conquistar algum dia, para fazê-lo mudar e se transformar em uma pessoa melhor. Carinhoso, amoroso, amigável (com seus próximos), que só quer defender “sua” garota e fazer o bem, custe o que custar, a ela (e isso pode custar caro!), Travis é o exemplo perfeito do que há de contraditório nesse mundo. Em um momento você fica com uma raiva imensa dele, mas ao passar algumas páginas, ou até alguns parágrafos, esse sentimento some dando lugar a um carinho e você se apaixona novamente por ele. Em alguns momentos Travis também parece ingênuo, talvez pelo fato de estar conhecendo o amor e ficar com medo de perdê-lo. Ele é o que podemos chamar de imperfeitamente perfeito.
Intensidade. Acho que essa é a palavra que melhor define o ritmo da narrativa e o relacionamento do casal principal durante toda a trama. Tudo é tão intenso e profundo que o leitor não consegue nem soltar o livro de suas mãos por muito tempo. Pelo menos foi assim comigo, enquanto a leitura não chegava ao fim, não conseguia prestar atenção em mais nada e consequentemente só fui dormir depois do dia amanhecer.
A autora soube trazer realidade à trama, o relacionamento do casal principal não só poderia acontecer, como com certeza acontece por aí, e ela soube trazer a parte crua da realidade, utilizando brigas, lutas, bebida, sexo às páginas do livro, de maneira tensa e instigante.
E o amor. Ela mostra que esse sentimento é tão forte e poderoso que pode acabar transformando as pessoas, fazendo-as amadurecer e evoluir positivamente. É interessante ver Travis, com todo seu caráter e temperamento difícil, e que muda de humor de uma hora para outra, se transformar em uma pessoa melhor por causa de seu relacionamento com Abby. Eles são tão diferentes que todos pensam que nunca poderiam dar certo, mas mesmo contra todas as probabilidades eles se tornam perfeitos um para o outro.
Não é só de amor que o livro trata, questões familiares (boas e ruins) e amizade verdadeira também estão presentes na trama. E não é superficial, você conhece os personagens de uma maneira mais profunda, aprende sobre seus passados e o que eles viveram para que chegassem onde estão, para se transformarem no que são, tudo isso escrito de uma forma sutil e envolvente e trazendo, assim, mais realidade à trama.
Jamie explora as relações humanas com maestria. Ela criou personagens e características próprias para cada um deles que faz suas relações com o próximo e consigo mesmo ser algo admirável e incrível.
Adorei a melhor amiga de Abby desde sempre, America. Ela é protetora e pretende fazer de tudo para apoiar a amiga em busca de sua felicidade, ficando contra quem a faz mal, e ajudando a ficar bem diante das coisas ruins da vida. Com certeza a amizade delas é a mais bonita e fofa do livro. Outro personagem que gostei demais é Shepley, primo de Travis e namorado de America, ele tem medo de perder sua namorada por causa do temperamento do primo, e é um amor com ela, além de ser um bom amigo para Travis e ajudá-lo em muitos momentos, e também sabe apoiar Abby quando ela precisa. Esse casal é mais maduro do que o principal da trama, e gostei muito da relação entre eles.
Também gostei de conhecer mais a família de apenas homens do Travis, a interação entre todos os Maddox, e como agiram com Abby e Travis e o relacionamento entre eles, foi bem legal.
Gostei de vários outros personagens na trama, que são secundários, mas que fizeram alguma diferença. Uma curiosidade é que um dos personagens do livro se chama Brazil, achei isso tão fofinho.
O único detalhe que não gostei é que na contracapa do livro diz que a Abby não bebe, sei que isso é uma coisa boba de se reclamar, mas em nenhum momento ela nem chegou a fingir que não bebia, então acho enganoso vir isso escrito em sua descrição.
Adorei a capa, que é igual à americana e amei o título, que além de ser uma tradução fiel ao original, tem tudo a ver com a história, e mais especificamente com o casal principal.
Não apenas o relacionamento entre Travis e Abby era imprevisível, mas também toda a trama. Não dava para prever muitas coisas que iam acontecendo durante as páginas, você poderia estar acompanhando alguma situação e de repente uma reviravolta ocorria e diversas novas ações se desenvolviam, mudando o rumo completamente.
Esse livro não apresenta elementos sobrenaturais, nem é uma história bonitinha e cheia de flores, mas também não há aqueles elementos incrivelmente tristes que só te fazem chorar da primeira até a última folha. Mas, através de uma narrativa super bem construída, essa é uma história intensa, complexa e instigante sobre um casal que, contra tudo o que é esperado, dá certo. Um caso de amor obsessivo, uma trama angustiante que prende o leitor de tal forma que não permite largar o livro, uma relação de altos e baixos, com diálogos e cenas transbordando paixão e sacadas inteligentes, esse livro definitivamente que vale a pena a leitura.
Avaliação



Duas ótimas notícias para quem gostou do livro e/ou da resenha, os direitos foram comprados e em breve haverá uma adaptação para o cinema, não vejo a hora de isso acontecer e espero que escolham um ator bem forte e bonito como o próprio Travis.
E quer outra notícia sensacional? Em breve a autora irá lançar um livro com essa história, mas dessa vez podemos conhecê-la através da visão de Travis e se chamará “Walking Disaster”. Se vocês quiserem ler o segundo capítulo, CLIQUEM AQUI.
Ah, gostei muito do Travis que ela colocou no final do capítulo, tudo a ver com o personagem que eu pensei. E vocês, aprovam?


Com diversas meninas vou concorrer, mas apenas uma vai ganhar. Quem será que o príncipe vai escolher?

 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Sereia - Tricia Rayburn


   Vanessa Sands é uma jovem que tem medo de tudo (medo de água, escuro, e tudo mais) e a única pessoa que ela sempre pode contar é a sua irmã Justine, que é uma garota corajosa, destemida, protetora que sempre está ao seu lado para ajudar. Mas Justine morre em Winter Harbor, onde eles têm uma casa na qual passam todo o verão, ao pular de um penhasco. Todos acreditam que foi suicídio, mas Vanessa conhecia a irmã muito bem e sabe que ela não faria isso. Depois de voltar para casa em Boston com seus pais para se recuperar do choque da situação, ela começa a se perguntar quais as reais razões para a morte da irmã, principalmente depois de descobrir que ela andava escondendo alguns segredos e por isso volta para a casa de verão em busca das respostas.
    Vanessa procura a ajuda de um vizinho conhecido da família, e também namorado de sua irmã, Caleb, mas descobre que ele está desaparecido. E, como se não bastasse, a cidade inteira começa a ficar em alvoroço por causa de uma série de mortes, todas de alguma forma relacionadas com as águas, nas quais as vítimas são encontradas sorrindo de orelha a orelha. Vanessa e Simon, irmão mais velho de Caleb, unem forças para investigar os estranhos acontecimentos, e com isso acabam levando a amizade de infância a um outro tipo de relacionamento. Conforme eles vão encontrando ligações entre a morte de Justine e a súbita onda de mortes, Vanessa descobre um segredo que ameaça seu romance com Simon – e que vai mudar sua vida para sempre.
    Confesso que nunca tinha lido histórias de sereia e por isso não tinha muita noção do que esperar desse livro. A sinopse me deixou muito interessada e assim que comecei a ler me surpreendi.  Vanessa não é o tipo de protagonista que se vê em todos os livros, ela é extremamente medrosa e tem um certo complexo de inferioridade e Simon é o típico cara 'chato', que se interessa muito em estudar o clima. Mas eles e seu romance não são realmente a parte principal do livro (obviamente).
     A busca por Caleb, pistas da morte de Justine e a tentativa de desvendar o porquê dos assassinatos na cidade é o que move a trama até o fim. E, apesar de desde o começo você já saber a resposta (o nome do livro é basicamente MUITO óbvio e entrega totalmente o que deveria ser o mistério da história), existem novidades a cada capítulo que fazem o caminho até o fim ser interessante. Um pouco de romance, mistério e criaturas místicas sempre formaram uma ótima combinação e a capa é simplesmente incrível, amei! Estou esperando pra ler a continuação.
 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO



Resultado de Promoções


Oii gente! Tudo bem com vocês? Desculpem pela demora em postar os resultados, mas as coisas estão corridas por aqui, por isso não deu tempo de anunciar os ganhadores antes.
Como tivemos empate, fizemos o sorteio entre todas as meninas que comentaram em todos os posts no período da promoção.
1 - Bruna Costenaro
2 - Jéssica Carreiro
3 - Vanessa Marques
4 - Jeniffer Haddad
5 - Juliana Souza
6 - Yara Werneck

Parabéns, Jeniffer! Mande seus dados para promo.hoc@gmail.com

Gostaria de agradecer a todos que participaram da promoção de MMM, e torço para que a ganhadora goste bastante do livro! =D

Parabéns, Bruna! Mande seus dados para promo.hoc@gmail.com

Adorei os comentários de vocês no post “Livros Digitais - Ter ou não ter? Eis a questão.” É muito bom ouvir a opinião dos leitores sobre alguma coisa em evidência no mundo. E sendo os livros digitais uma parte muito importante dessa revolução tecnológica na área literária que estamos vivenciando em nossa geração, que é um prazer saber que todos ainda amam os livros impressos! *-* Obrigada pelos comentários, de verdade!

Parabéns, Natália! Mande seus dados para promo.hoc@gmail.com
 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Livros Digitais - Ter ou não ter? Eis a questão.

Hoje o post vai ser um pouco diferente, vamos conversar sobre os livros digitais. Não é novidade para ninguém que os livros eletrônicos – mais conhecidos como e-books – estão entrando com cada vez mais intensidade no mercado brasileiro, e trazendo consigo várias vantagens.

Entre todos os benefícios que esse formato trás aos leitores, vamos citar alguns dos melhores. Como, por exemplo, os e-books podem ser lidos em diversos equipamentos eletrônicos (que vão de tablet a computadores, passando pelos celulares e os e-readers – leitores de livro digital, o mais famoso é o kindle), eles são mais baratos que os livros impressos em papel (já que os custos são extremamente inferiores uma vez que não há gastos com impressão, transporte, etc.), não ocupam tanto espaço (nos dias atuais espaço é uma coisa super valorizada) e não pesam, sendo facilmente transportados, até em grande quantidade, para qualquer lugar, coisa que é mais difícil de fazer com os livros impressos).

Com a chegada do leitor de livros digitais ao mundo – incluindo o Brasil –, ficou muito mais fácil ler e deu muita comodidade a diversas pessoas, já que ele tem o formato ideal para a gente poder carregar por aí na bolsa, sem ocupar muito espaço e sem pesar, além de trazer diversas outras vantagens como organizar as leituras, poder ter dicionário sempre à mão, etc.
É claro que os e-books não agradam a todos, afinal nada no mundo é 100% aceitável, tem pessoas que adoram ter seus livrinhos lindos enfeitando sua estante (culpada, adoro isso! Hahaha), acham melhor poder folhear as páginas com os dedos, e sentir o cheirinho de um livro novo. É difícil um leitor não adorar pelo menos uma dessas coisas nos livros impressos hoje em dia, mas não estamos falando em substituir os livros impressos pelos digitais, claro que não!
Esperamos poder continuar tendo a possibilidade de escolher o que é melhor para nós ainda por muitos anos, até mesmo para sempre. Mas, podem dizer se não é bem sedutor poder viajar com milhares de livros, ou poder ter mais livros do que poderíamos com o espaço limitado de nossa casa? Fora que se você estiver com um pé atrás por algum título, é sempre bom poder ler primeiro em formato digital e se não gostar, ele não fica ocupando um lugar na sua estante que você poderia colocar algo de que gosta mais, além de gastar menos.
A parte de gastar menos é uma das mais sedutoras para nós, leitores compulsivos, que não queremos deixar de adquirir um lançamento sequer. Por isso, viemos falar de algumas ótimas dicas para vocês que têm ou pretendem ter e-readers e gastar bem pouquinho com suas novas aquisições.
Aqui no Brasil os títulos digitais não são tão mais baratos que os impressos ainda, mas isso não quer dizer que vocês não podem encontrar ótimas ofertas por aí. Por exemplo, buscando promoções no Groupon (um dos mais conhecidos e conceituados sites de compras coletivas do mundo, além de ser a empresa pioneira na área), encontramos um ótimo desconto em livros que vocês vão adorar! O que estão esperando? Aproveitem o desconto de 50% e adquiram seus exemplares.



Estamos entrando em uma era informatizada onde os meios eletrônicos estão derrubando cada vez mais os meios impressos, por isso adaptar-se é fundamental.  A nova geração já está informatizada, vivendo e crescendo online e, por isso, grande parte de suas vidas e experiências estão nesse setor.
Podemos ficar aqui falando sobre os prós e contras dos livros digitais, mais isso é uma discussão para muito tempo. Eu, particularmente, amo livros em papel. Gosto de sentir o cheiro, ver a textura e guardar na minha estante, organizando por estilo, etc. Mas depois de mais de 500 livros e quase nenhum lugar para colocar, sei que o livro digital tem o seu valor e é interessante. E eu com certeza já estou me programando para ter meu próprio leitor de livros digitais e sair andando com milhares de livros em mãos, já que a comodidade que ele trás, é ótima para nós, bookaholics.
Agora queremos saber a opinião de vocês! Para você, leitor do House of Chick, o livro digital é uma boa ou não?
 >> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO

Promoção Relâmpago 


>> Deixe um comentário com meio de contato até 23:59hrs de amanhã, 9 de agosto, e concorra a um kit com 30 marcadores


As nove vidas de Chloe King: Banidos – Liz Braswell


Em “As nove vidas de Chloe King: Banidos”, primeiro livro da trilogia, conhecemos a personagem que dá nome ao título, Chloe King, uma garota que leva uma vida normal com seus dois melhores amigos e sua mãe adotiva.
Um dia, algo estranho acontece: ela cai da Coit Tower, a torre mais alta da cidade de São Francisco, e permanece viva e sem nenhum arranhão. A partir desse momento, Chloe começa a perceber sua visão noturna, reflexos rápidos, e grandes habilidades para lutar, além de conseguir pular e correr em cima de telhados com muita facilidade. Ela também passa a ter bastante confiança e se sente mais poderosa, atraindo a atenção de vários garotos. Mas isso não é tudo, agora Chloe possui garras e inimigos mortais que estão atrás dela, custe o que custar.
Estava com expectativas altas para esse título, mas infelizmente terminei a leitura decepcionada. A narrativa da autora flui bem e a premissa é original e bem interessante, uma pena que a autora não soube explorar isso de forma convincente no primeiro volume da trilogia.
Chloe é uma personagem bem chatinha, irritante e, além de só pensar em si mesma o tempo inteiro, só sabe criticar todos ao seu redor, incluindo sua mãe e seus melhores amigos, só porque não fazem tudo do jeito que ela gostaria que fosse feito.
Além disso, esse volume não trás explicações sobre nada, e os personagens não foram bem desenvolvidos, então poderia ter sido escrito em forma de conto, só como uma coisa bem introdutória mesmo, bem rasa. O livro é tão fininho (tem apenas 224 páginas), que acredito que a autora poderia ter incluído mais páginas para desenvolver melhor a história e todos os detalhes que ficaram totalmente sem nenhuma explicação, como a verdadeira identidade de Chloe, os motivos de ela estar sendo perseguida, as identidades dos outros personagens e o que eles querem com ela, etc.
Depois que Chloe caiu de uma altura incrível e, além de não morrer, saiu totalmente ilesa, sem nenhum arranhão, ela começa a perceber que não é uma pessoa normal, começa a se sentir diferente e descobre que possui habilidades de gato. Sem saber nada sobre isso, nem conhecendo ninguém para mostrar a ela qual caminho percorrer, Chloe começa a testar seus “poderes” pelas ruas, sozinha. Até que aparece um misterioso amigo felino para ajudá-la, que na verdade nem se aproxima da protagonista, apenas a instiga a desenvolver ações diversas de longe.
Em seguida, acontecem algumas coisas bem surreais: a personagem nem sabia que tinha alguma habilidade e de repente é como se tivesse sido incrivelmente treinada. Ela soube usar seus novos “poderes” tão bem (sem nunca ter tido nenhum tipo de preparação), que nem pessoas realmente treinadas conseguiam pegá-la! Achei isso bem absurdo. Eu sei que gatos têm instintos e tudo mais, só que eles também não são invencíveis, né?!
A leitura só começou a melhorar mesmo nos últimos capítulos, quando as ações mais interessantes foram se desenvolvendo e algumas coisas estavam começando a ser reveladas, mas ficou por aí, essas revelações não chegaram a realmente acontecer, e o livro chegou ao fim.
Lá fora, a autora lançou um volume único, contendo os três livros da série. Como esse primeiro é bem fraquinho, acredito que a Galera poderia ter lançado essa versão completa, pois com certeza a leitura deve surtir um efeito melhor se lermos os três volumes seguidos, talvez até empolgue mais o leitor.
Assisti apenas o primeiro capítulo da série de televisão, e sei que até certo momento do livro, há bastante coisas em comum, e achei isso legal, apesar de depois ter tomado um rumo totalmente diferente. Mas a série foi cancelada, então nunca vamos descobrir para onde ela estava caminhando.
Sobre o subtítulo, preciso dizer que não o entendi ele até agora, mesmo depois que fechei a última página. Também não gostei muito da capa que a Galera utilizou. Achei a foto bem feinha, apesar de lembrar uma menina-gato, mas gostei da cor rosa utilizada, e das letras em roxo metálico.
Bom, esse é um livro que não sei se indico. Pode não ter sido a pior leitura do mundo, mas deixou muito a desejar. Talvez, quando lançarem as continuações, melhore, e aí a leitura pode valer a pena.
Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO