Sangue Quente - Isaac Marion

Eu nunca havia lido um livro de zumbis antes de ler este livro em questão, meu conhecimento a respeito de zumbis vem de irmãos fãs de Resident Evil, logo estou acostumada a zumbis burros e letais quando próximos. Mas em Sangue Quente do autor Isaac Marion da editora Leya, isso tudo é bem diferente!

O mundo está destruído e os zumbis invadiram a Terra. R. é um zumbi que mora em um aeroporto abandonado com outros zumbis, seus dias são iguais: caçar os poucos humanos que sobreviveram se deliciando com seus cérebros e se divertir com a escada rolante quando a energia funciona. Ele não se lembra quem foi, seu nome ou qualquer coisa sobre sua vida. Até que em uma caçada ele conhece Julie, depois de impedir que seus colegas zumbis a matem.

R. leva Julie para o aeroporto e passa a protegê-la, ao mesmo tempo em que percebe que ele está diferente, algo está mudando, algo o impede de matá-la, porque?  E para completar depois de se alimentar do cérebro  do namorado de Julie passa a ter visões sobre a vida deste além do costume. (é normal para os zumbis ter flashs da vida do dono do cérebro ao comer estes).

A trama é narrada em primeira pessoa na visão de R., mas quando ele tem visões ele passa a narrar a história sob o ponto de vista de Perry, já que as visões são sobre a vida de Perry até sua morte (ponto positivo que faz com que a narração seja diferente). O livro é dividido em três passos, o primeiro passo: querer, o segundo passo: atacar e terceiro passo: viver. Ao início de cada capítulo há uma gravura de uma parte do ser humano sob o ponto de vista interno.

Confesso que tive dificuldade em aceitar que um ser zumbi que tem o cérebro em estado de decomposição tenha narrado a trama com tamanho detalhes e raciocínio. Isso é um ponto negativo, mesmo que o fim do livro tenha um atenuante. Mesmo se tratando de um romance fantástico não me convenci da possibilidade que o final traz, ele vai contra a natureza humana.

E como não se trata de nenhum feitiço aceitar o fim com uma explicação natural não me desceu. Entretanto a explicação dada pelo autor para a onda de zumbis é boa, na verdade o livro possui uma veia crítica grande, questionando o modo de vida vigente e nos fazendo pensar a respeito, e isso é que me prendeu ao livro. E é o que eu mais gostei do livro.

R., o zumbi, é um ser que questiona tudo que lhe é passado, desde o momento que tem uma luz de inteligência a agarra. Ele procura não só defender Julie como curar o mundo. É encantador ver como ele se apaixona pelas pequenas coisas do dia a dia, e como desenvolve o amor por Julie.

Julie, é uma sobrevivente, já passou por muitas perdas, o que a tornou uma adolescente forte e madura, que não tem medo de enfrentar uma orda de zumbis se preciso for ou a paixão que sente por R. mesmo que ele ofereça risco a sua vida. É uma mulher em corpo de adolescente.

Se você conseguir esquecer o fato de o protagonista ser um zumbi inteligente, Sangue Quente vale a leitura, não é um must read, mas oferece diversão e um pouco de pulgas atrás das orelhas. Fazem alguns anos que o livro foi adaptado para o cinema, e segue o mesmo nível do livro.

Avaliação






Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Olá!
    Assisti apenas o filme (E amei!) Tenho o livro mas, depois que vi o filme me acomodei... Vou consertar isso.
    Abs
    Nizete
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  2. Olá! Assisti somente o filme e gostei muito, fiquei bem curiosa em ler o livro, é uma história interessante que foge do tipo comum de zumbi.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. oi!
    Amei a resenha, eu definitivamente amo tudo que envolva zumbis seja livros ,filmes ou series. Não conhecia esse livro nem o filme,achei super legal esse modele diferente de historia envolvendo zumbis. Já quero ler, obrigada pela dica ;)

    ResponderExcluir