A cidade do sol - Khaled Hosseini


   “A cidade do Sol”, segundo livro do afegão Khaled Hosseini, repete o sucesso de “O caçador de pipas” usando uma fórmula bem parecida: a construção da amizade inserida em um contexto repleto de tensões. Dessa vez, porém, o sucesso de público e crítica tem raízes muito mais centradas em uma perspectiva feminina.
   A primeira parte do livro apresenta-nos Mariam, uma menina de quinze anos que é resultado do relacionamento entre Jalil, um homem rico da região de Herat, e Nani, a ex-empregada dele. Sua mãe insiste em dizer que ela é uma “harami” (“bastarda”), e a ligação da garota com o pai é resumida em algumas visitas. A vida de Mariam segue sem maiores perturbações até que Nani morre e ela, forçada pelas circunstâncias, decide procurar por auxílio indo até seu pai. Ao chegar lá e entender que Jalil tem uma família consolidada e não pretende incluir em seus planos uma filha nascida em um caso extraconjugal, ela é obrigada a se casar com Rashid, um sapateiro trinta anos mais velho e que representa a parcela mais autoritária dos homens do Afeganistão.
   Na segunda parte, a narrativa salta alguns anos e é focada na vida de Laila, uma menina que mora na mesma rua de Mariam e Rashid. Ela, porém, tem muito mais expectativas: é estudiosa, tem um pai amoroso e que a apoia, e tem um amigo que compensa qualquer sofrimento que a guerra possa causar - Tariq. Pouco tempo depois, ela engravida de Tariq e, como se não bastasse esse impacto emocional, perde os pais na ocasião da queda de um míssil. Sem enxergar outra possibilidade, acaba abrigada por Rashid e sendo sua segunda esposa, atribuindo a paternidade de seu filho a ele.
   A terceira parte é dedicada a explorar a ligação que nasce, aos poucos, entre as duas protagonistas. Mariam e Laila, depois de um breve momento de rejeição mútua, passam a se ajudar na busca por um objetivo maior: alcançar a felicidade, mesmo em uma realidade que se mostra tão dura.
   Em todas as 364 páginas, Khaled desempenha com excelência o trabalho de emocionar o leitor. Muitas questões que não são comuns no estilo de vida ocidental são exploradas com perspicácia, como a morte por apedrejamento – este é, sem dúvida, um dos trechos que pode deixar os mais sensíveis com lágrimas nos olhos. O livro é importante por desmitificar alguns aspectos facilmente associados ao Afeganistão e por introduzir novos conceitos quando o assunto é o Oriente Médio.
    “A cidade do Sol” é um retrato do cotidiano de um país em meio a tantos conflitos e que tenta, desesperadamente, encontrar uma ponta de reconstrução e esperança onde quer que ela possa estar. Assim como Hosseini, que dedicou seu sucesso “às mulheres do Afeganistão”, indico a leitura para mulheres – e homens – que queiram se deparar com exemplos magníficos de força e coragem, além de uma dose majestosa de inspiração pessoal e uma lição de que os sentimentos, quando verdadeiros, podem resistir a qualquer tipo de sofrimento e dor.

Avaliação






>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 02 - FORMULÁRIO



Comente com o Facebook:

20 comentários:

  1. eu já tentei ler ele, não consegui chegar ao fim não gostei
    quem sabe um dia eu retorne a leitura
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. @Mayh_Fernandes
      yarasp71@hotmail.com

      Excluir
    2. Oi, Mayara! Talvez se você tentar lê-lo no futuro poderá gostar, não é? Rs. Obrigada por comentar!

      Excluir
  2. Eu acho que esse é um tipo de livro que se deve ler não para diversão ou tranquilizar, por tratar de um assunto bem sério. Eu só vi o filme do primeiro, e aposto que deve ser muito bom e comovente

    xx carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, o livro não é exatamente divertido. É uma leitura tensa e perturbadora, mas que pode se tornar um modo popular de discutir assuntos dessa dimensão. Obrigada por comentar!

      Excluir
  3. Adorei a resenha, claudia! Só não entendi uma coisa: Esse livro é continuação de "Caçador de Pipas"? Bj!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Salma! Não, "A cidade do Sol" não é continuação de "O caçador de pipas", embora os dois tenham temáticas semelhantes. Infelizmente, não existe nenhum pronunciamento sobre possibilidades de Khaled continuar seu primeiro livro. :/

      Excluir
  4. eu gostei tanto da sinopse que comprei mas ainda não tive tempo de ler! parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria Ester. Quando puder lê-lo, não perca a oportunidade, rs.

      Excluir
  5. nossa, eu tenho esse livro mais ainda nn consegui lê-lo. kkkkkkk'
    tempo, cadê você querido?? hehe' adorei a resenha.
    beijos.
    gabi.
    @bookschemistry_

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, que bom que você gostou da resenha, rs. Leia o livro assim que puder, é encantador!

      Excluir
  6. Nossa já nem sei qt tempo que tenho esse livro, foi um dos primeiros que comprei, mas não está na minha lista de must read ainda hehehehe

    Miquilis:
    Bruna Costenaro (bruheadbanger@hotmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando puder leia-o, a história é muito bonita! Obrigada por comentar!

      Excluir
  7. Adorei a resenha!
    Me despertou bastante interesse em ler esse livro.
    Ainda mais que tem exemplos de força e coragem. Adoro quando os livro mostram que as pessoas sempre podem se superar.

    Vou colocar agora mesmo na minha lista de desejados!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Larissa! Fico feliz que você tenha gostado da resenha e que tenha se interessado pelo livro. Tenho certeza de que você irá adorá-lo!

      Excluir
  8. Pela nota dada aí em cima, me parece que o livro é muito bom!!!
    Nunca tinha visto ou lido nada desse livro antes, por isso não sabia de sua existência...
    Mas realmente, adorei esse livro...me despertou uma curiosidade imensa!!!
    @drielymeira
    driely.meira@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, o livro é lindo e a leitura super vale a pena! Espero que ao lê-lo você goste tanto quanto eu. Obrigada por comentar!

      Excluir
  9. Ia ler esse livro agora em abril para o Desafio Literário, mas acabaram excluindo esse autor :/
    Esse livro parece ser MUITO bom e emocionante. Adoro livros (bem escritos) que nos levam a conhecer outras culturas, outros pontos de vista.

    @gaveta_aband

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, o livro é mesmo emocionante e permite o entendimento de uma cultura bem diferente da nossa. Obrigada por comentar!

      Excluir
  10. Esse livro é maravilhoso, nos faz refletir bastante sobre a vida de quem vive fora do nosso país. Khaled Hosseini é um autor maravilhoso <3

    ResponderExcluir