O Olho do Mundo - A Roda do Tempo #01- Robert Jordan

Acho que todo mundo que acompanha o blog sabe que eu sou a garota Tolkien né? O Senhor dos Anéis é minha referência de livro perfeito, e tudo mais vem depois. Então quando qualquer coisa soa parecida, lembre e até queira ser parecida eu quero ler. É must read automático. O Olho do Mundo se enquadra nessa categoria, depois de ler resenhas e a sinopse eu achei que soaria tolkieniana =P E de fato foi =D!

Em O Olho do Mundo, primeiro volume da série A Roda do Tempo, do autor Robert Jordan e publicado pela Intrínseca, conhecemos Rand al'Thor, um jovem de uma distante vila na região de Dois Rios. O inverno estava demorando a passar, e a comida a faltar, e entre os festejos de final de Inverno uma estranha chega a vila, mas nada disso fez com que ele fosse prevenido do que viria a seguir: um grupo de Trollocs invade a sua casa e sua vila, revirando tudo de cabeça para baixo.

A estranha não só ajuda Rand como também seus amigos. E revela uma triste verdade, os Trollocs procuravam por ele e seus amigos, e eles precisam fugir para longe, não só para defender suas vidas mas para compreender quem são, e porque são importantes. Uma jornada perigosa e fantástica se inicia pelo mundo, o que será que Rand e seus amigos farão quando descobrirem a verdade?

Ahhhh alta fantasia, não há prazer maior na literatura. Jordan fez a lição de casa de Tolkien diretitinho: temos um mundo criado com povos diferentes, seres diferentes, línguas próprias e a dualidade do bem e do mal. A jornada do herói é o fio condutor da trama que segue no ritmo que a história pede, detalhando cada passo do grupo e apresentando pedaços do que vai se tornando um quadro bem aos poucos.

A narrativa não é rápida, pois trata-se de um livro mais denso. Talvez soe cansativo para quem não está acostumado ao estilo, eu particularmente amo a forma como foi conduzido, mas não é para todos. Ela é feita e, terceira pessoa, focando em boa parte do tempo a visão de Rand. A capa é simples e objetiva, mas transmite bem o que o livro trabalha. A diagramação é simples, com fonte reduzida.

Não encontrei referência a vida de Jordan quanto sua relação com Tolkien, mas o paralelos das histórias são muitos. Primeiro ambos autores são frutos de guerras, isso é explicito em suas obras. Depois assim como em Sda um grupo de forma com um objetivo maior, e a estrutura do grupo de ambos os livros é parecida- os humanos de Dois Rios lembram muito os hobbits; a Moraine é a figura mágica e poderosa como é Gandalf (embora Gandalf seja uma figura mais próxima de um deus pois é um dos responsáveis pela Terra Média); Lan- o guardião assim como Passolargo- Aragorn tem um passado não 'assumido' e um comportamento taciturno. Os paralelos não param por ai, mas como a resenha não é uma comparação fico por aqui nas comparações.

A grande pergunta talvez seja se ele soa tão parecido com Tolkien não soa como uma cópia? Não! Ele foi muito criativo na criação de sua mitologia. Ela é poética e definida a partir da ideia de um mundo que gira como uma roda, é um tempo cíclico e tece seus padrões como uma teia. Essa teia mistura passado, presente e futuro. Podemos escolher dentro do que a teia nos permite, mas nunca fugir do que é tecido ao nosso redor.



Vocação Para o Mal - Cormoran Strike #03 - Robert Galbraith

Antes mesmo de saber que essa série era escrita por J.K. Rowling, eu me apaixonei pela história. E, depois de finalizar a leitura do primeiro livro, fiquei contando os dias para ter em mãos as continuações e poder ler mais sobre o detetive Cormoran Strike. Agora, já estou no terceiro volume desta série e vou compartilhar com vocês tudo o que achei sobre “Vocação Para o Mal”.
Neste volume vemos que Robin Ellacott, assistente de Strike, recebe um pacote contendo uma perna decepada de uma mulher e um bilhete com a estrofe final de uma canção do Blue Öyster Cult, a banda preferida da falecida mãe de nosso protagonista.
A partir desse terrível recebimento, vemos que nossos investigadores vão à busca para saber quem enviou a caixa e de quem era essa perna. Strike pensa em quatro pessoas do seu passado que seriam capazes de tamanha brutalidade, passando, assim, esta lista para a polícia londrina. Mas eles focam cada vez mais em um dos suspeitos, que é quem nosso protagonista menos achava que tinha cometido o crime. E, quanto mais ele investiga, mas acha que a polícia pode estar indo pelo caminho errado.
Entramos, então, junto com nossos protagonistas, em uma busca pelo suspeito, e passamos por muitas cenas de tirar o fôlego, além de termos muitos segredos revelados e muitas questões pessoais são trazidas a tona, deixando a trama ainda mais surpreendente e deliciosa.
J.K. Rowling, sob seu pseudônimo Robert Galbraith, consegue prender a gente do início ao fim com bastante suspense, ação e várias pistas, em uma leitura bastante fluida, que aborda temas até mesmo mais pesados, como estupro e pedofilia, mas tudo isso sem deixar fugir o foco. Além disso, conhecemos mais sobre Cormoran e Robin, já que parte do passado de ambos são revelados, fazendo com que cada vez mais a gente conheça sobre a vida desses dois.
A narrativa, como nos volumes anteriores, é em terceira pessoa, o que é bem legal, pois assim conseguimos entender tudo o que está se passando de uma forma mais ampla, até porque a autora consegue trazer para a gente os sentimentos dos personagens sem precisar ser em primeira pessoa.


Escolha o Seu Felizes Para Sempre #01: Como Ficar Com Rick - Julie Fison

A série “Escolha o Seu Felizes Para Sempre” possui uma proposta bem bacana e interativa: o próprio leitor é quem vai decidir os rumos tomados pelos protagonistas, baseados em escolhas que os mesmos precisam fazer em diversos momentos de suas vidas. Acho esta ideia muito interessante e dinâmica e sempre quis ler um título neste formato, então fico contente que finalmente tive esta oportunidade.
Mas este livro não é o pioneiro deste estilo publicado no Brasil, e também não foi o primeiro que conheci, mas foi o primeiro que li, e cheguei à conclusão de que mais autores poderiam escrever histórias assim, porque é bem legal a gente poder “ajudar” os personagens a tomar suas decisões, pois parece que estamos inseridos na trama.
No primeiro volume, “Como Ficar Com Rick”, vamos conhecer Kitty MacLean, que passa bastante tempo pensando no menino de quem gosta, Rick Sanchez. Porém, ela é tímida e não tem nem coragem de dar o primeiro passo para conversar com ele, diminuindo consideravelmente suas chances de poder ter alguma chance com o garoto algum dia.
Mas agora sua sorte parece prestes a mudar, pois Persephone, uma das garotas mais populares de seu colégio, a chama para viajar com ela e, o melhor, Rick vai ficar hospedado perto delas. Só tem um pequeno probleminha: Kitty já havia prometido que iria acampar com suas melhores amigas nestas férias.
E agora, o que nossa protagonista deve fazer? Viajar com Persephone e ficar mais perto de Rick e com mais chances de conquistá-lo, ou com Mia e Izzy, suas melhores amigas desde pequenas, e se divertir bastante no acampamento? É você, leitor, que deverá escolher entre estas opções, e depois decidir quais outras atitudes nossa Kitty deve tomar ao longo destas férias maravilhosas que vai viver.
Acho que a trama começou bastante interessante, leve e divertida. Aquele tipo de história adolescente contemporânea, que faz com que a gente logo se identifique com a personagem principal e o que ela está vivendo, seja porque estamos passando por algo semelhante em nossas vidas ou porque nos faz relembrar desta fase da adolescência (para os leitores mais velhos).
Só acho que a autora criou situações demais que precisavam de decisões, então a história acabava ficando muito cortada, e as coisas aconteciam rápido demais para a quantidade pequena de páginas sequenciais, então não dava muito tempo de desenvolver aquela decisão antes de começar uma nova. E ela ainda por cima escreveu TANTOS finais (se não me engano foram sete!!), que quando a gente espera que algo realmente incrível vá acontecer, o livro de repente termina porque já não tinha espaço para mais.


Paixão ao Entardecer - Os Hathaways #05 - Lisa Kleypas

Terminar uma série é um misto de sensações, se por um lado temos o prazer de chegar ao fim de uma longa série, pelo outro temos a tristeza de não mais compartilhar daquele universo que gostamos (afinal se você não gosta você não continua a série não é?!). E é com essa sensação que finalizei a série Os Hathaways, com seu quinto e último volume Paixão ao Entardecer, escrito pela escritora Lisa Kleypas, e publicado pela editora Arqueiro.

Beatrix Hathaway é a mais nova da família, e já está com vinte e três anos. Todos seus irmãos já se casaram, e ela está caminhando para ser titia. Dona de uma personalidade estranha ela teme que nunca irá encontrar alguém que ame, e ao mesmo tempo aceite seu modo de ser, e o seu amor pelos animais e natureza.

Mas sua empatia pelos desafortunados a leva a compartilhar cartas com Christopher Phelan que está em uma guerra. Através das cartas um amor nasce, mas ele não sabe quem é ela, e ela não sabe como lidar com seu sentimento e sua mentira. Phelan volta mas não é mais o mesmo homem que era, Beatrix se vê diante de um homem marcado pela morte, mas que nutre amor pela mulher da carta. O capitão será capaz de encontrar sua amada e Beatrix de ser amada como é?

De todas as mulheres dessa família maluquinha, Beatrix sempre foi minha favorita, com seu jeito doce, inocente e empático, ela me encantou com Medusa, sua porca espinho de estimação. Dizer que ela é diferente de qualquer personagem que eu tenha lido não é suficiente para dar dimensões a essa mulher que tem espírito de criança quando está na natureza. Sua personalidade e modo de existir constitui-se em meio aos animais e ao modo de vida deles, assim tudo para ela necessita e tem paralelos a como ele se alimentam, reproduzem e etc.

Christopher era o mocinho bonito e supérfulo que a todas encantava, mas isso antes da guerra. Depois de acompanhar tantas mortes ele não consegue mais viver na superfície, e pior ainda não consegue viver entre as pessoas que o veem como um herói. O que o sustenta ainda na realidade é o amor e apoio que encontrou na cartas que recebeu de Beatrix, e até que ele compreenda quem ela é ainda vai ter alguns momentos de confusão.



Lançamentos de Julho da Harlequin


Oii, gente! Hoje vim falar dos lançamentos do mês da Harlequin! Está cheio de novidades incríveis e simplesmente quero ler todos! Hahaha Mas confesso que estou mais empolgada por “Sintonia De Corações”, segundo volume da série Rose Cottage Sisters, de Sherryl Woods. E vocês, gostaram mais de quais? :D

Uma receita apaixonante!
Pegue uma dose de Maggie D’Angelo, a crítica culinária que nunca teve um relacionamento sério, e adicione Rick Flannery, um lindo fotógrafo determinado a seduzi-la. Misture tudo e acrescente irmãs intrometidas que acham que ele é o homem perfeito para apimentar a vida de Maggie. Apesar da reputação dele ter deixado um gosto amargo na boca de Maggie, o que sentem um pelo outro é muito mais do que apenas atração. Ela teme que essa receita desande e faça uma verdadeira bagunça em seu mundo metódico. Contudo, Rick está disposto a correr o risco para conseguir o resultado mais delicioso de todos: a conquista do verdadeiro amor.
A grande batalha do viking!
Kara agradeceu aos deuses quando foi desposada por Ash Hringson. Porém, esse destemido guerreiro estava desaparecido havia tanto tempo que a ela restara apenas boas lembranças. Agora, Kara precisa se casar novamente para garantir o futuro de seu filho. Contudo, no dia da cerimônia, o heroico conquistador retorna e é recebido por suspiros de horror e de surpresa. Afinal, todos acreditavam que Ash morrera… Mas aos olhos repletos de desejo de Kara, ele parece tão lindo e sensual quanto no dia em que partira… E também nada feliz por sua bela esposa estar prestes a entregar-se a outro homem.

Amor Raro
Foi preciso apenas um olhar do sombrio e misterioso desconhecido para Indigo Moran perceber que tirar uma foto dele fora um erro. Mas quem era aquele homem? Para o príncipe Lorenzo Torelli de Melvante, o dever com seu reino sempre estará em primeiro lugar. E mesmo que o desejo que sente por Indigo o faça perder a cabeça, Lorenzo sabe que não poderia oferecer a ela nada além de um caso passageiro. Só há um problema: após um beijo inesquecível, Lorenzo tem certeza de que uma noite ao lado de Indigo não seria suficiente!
Começou Com Um Casamento...
Claire Stewart achava que seu dia não podia piorar, mas estava errada! Como se não bastasse perder o vestido de noiva de sua melhor amiga, ela ainda precisava encarar o estonteante e bem-sucedido Sean Farrell, irmão da noiva e o homem pelo qual fora apaixonada. Por mais que Sean tenha recusado um romance no passado, Claire conseguira reconquistar seu coração. E um beijo quente e inesquecível durante o casamento abriria caminho para um desejo insaciável.


A Ilha de Bowen - César Mallorquí

Adoro as publicações da Editora Biruta, e sempre fico babando em todos os livros do catálogo, e com “A Ilha de Bowen” não foi diferente: desde que o conheci fiquei louca para lê-lo. A primeira coisa que me chamou bastante atenção neste título foi a sua sinopse, que parecia me trazer uma história bastante agradável e cheia de reviravoltas, com uma mistura de assassinato e mistérios em uma grande aventura cheia de perigos. Ou seja, tudo que eu amo em uma trama. Por esse motivo, assim que me foi possível, quis começar a ler este volume e agora venho compartilhar com vocês as minhas opiniões.
Nesta obra voltamos para 1920, quando Jeremiah Perkins, um tripulante do navio Britannia, foi assassinado em um pequeno porto norueguês, após enviar um misterioso pacote com um conteúdo desconhecido para Lady Elisabeth Faraday.
Mas a história começa quando Elisabeth e a sua filha, Katherine, procuram o professor Ulisses Zarco, da SIGMA (Sociedade de Pesquisas Geográficas, Meteorológicas e Astronômicas), para pedir sua ajuda para encontrar seu marido, John Foggart, que é um arqueólogo. Zarco é a sua última esperança já que seu marido não dá notícias há um tempo. E, como conselho dele mesmo, caso parasse de dar notícias ela deveria ir procurá-lo. Eles não eram muitos próximos nem nada, mas Elisabeth traz consigo algo que vai fazer com que o professor queira entrar nessa aventura.
Vemos, então, que Zarco, um machista bem grosso e de personalidade forte, acaba aceitando fazer uma expedição a bordo do Saint Michel para encontrar John. E apesar de ir contra as suas vontades, aceita que Lisa, uma feminista bastante sincera, viaje em seu barco juntamente com Kathy, sua filha de apenas vinte anos. Outras pessoas também acompanham eles nessa jornada como Samuel Durango, um fotógrafo recém contratado pela SIGMA, e também um químico que fica responsável por testar as amostras que eles vão coletar durante a viagem.


O Acordo - Amores Improváveis #01 - Elle Kennedy

Hannah Wells de alguma maneira conseguiu tirar nota máxima em uma prova na qual a maioria dos estudantes tirou notas tão baixas que chegavam a dar vergonha, como zero. Garret Graham estava no segundo grupo, o que não importaria tanto se fosse uma situação normal, mas como capitão do time de hóquei, ele precisa estar na média caso queira continuar jogando, o que daria a possibilidade de seu time conseguir ganhar o campeonato.
Desesperado por uma nota ótima na segunda chamada da prova, Garret segue Hannah para convencê-la a lhe dar aulas, o que a princípio é uma tarefa árdua, visto que ela não gosta nada do rapaz, pois o acha convencido, irritante e infantil. Aliás, ela é a única garota que não liga nada para Graham, o que deixa o desafio ainda mais divertido para ele.
Mas Hannah deseja algo que Garret pode ajudá-la a conseguir: Justin Kohl. Então ela acaba fazendo um acordo com ele, onde no final os dois acabam ganhando algo (que para ela deve valer mais do que dinheiro, como vou comentar mais abaixo).
Só que no meio do caminho eles acabam descobrindo que se dão melhor do que poderiam prever e uma amizade acaba surgindo. Com o fortalecimento da mesma, ambos compartilham segredos e experiências traumáticas, antes bem guardadas dentro de si. Até que algo muda dentro dos dois e talvez a amizade esteja dando lugar a algo mais. Mas será que Garret vai conseguir deixar de lado sua política de “sem namoradas”? E Hannah vai conseguir confiar em alguém?
Desde que soube que a Editora Paralela iria publicar “The Deal”, primeiro volume da série “Off-Campus”, aqui no Brasil, fiquei ansiosa. Já tinha escutado muitas críticas positivas a respeito desta série e também deste exemplar em particular, então não pude deixar de fazer contagem regressiva para, enfim, poder lê-lo. Agora fico feliz de tê-lo feito, pois realmente adorei a leitura e já estou empolgada pelas continuações.
Achei a escrita de Elle Kennedy muito gostosa, leve, envolvente e descontraída. Ela consegue nos inserir naquele seu universo, como se estivéssemos sentados entre amigos contando sobre as coisas da vida, e faz tudo isso de forma fluida, além de nos deixar com um gostinho de quero mais a cada virada de página.
Vamos acompanhar a história sob as duas perspectivas, já que os capítulos são intercalados por Hannah e Garret em primeira pessoa. Eu amo esta forma de ler um livro, porque temos a visão dos dois lados dos acontecimentos e podemos entender o que cada um sente, como age, quais são seus pensamentos mais profundos e também descobrimos coisas sobre seus passados, etc. Além, é claro, de conseguirmos ter uma visão bem ampla de um modo geral.


A Última Carta de Amor - Jojo Moyes

Estou em uma fase que estou super viciada em Jojo Moyes e, por esse motivo, resolvi ler todos os livros dela que foram publicados aqui no Brasil e que me faltavam. Com mais esse volume, estou caminhando para ficar em dia com essa autora maravilhosa, então já estou contando os dias para ler as suas próximas obras. Por isso, hoje vim falar para vocês o que achei de “A Última Carta de Amor”, que foi publicado aqui no Brasil pela Editora Intrínseca.
Neste exemplar embarcamos para Londres de 1960, para conhecer Jennifer Stirling, uma mulher que sofreu um acidente de carro e, por isso, perdeu a sua memória. Ela volta para sua vida e, mesmo com todos sendo super atenciosos e amorosos, sente que falta alguma coisa. Quando descobre várias cartas de amor endereçadas a ela, assinadas apenas pela letra B, vê que estava disposta a largar tudo para ficar com essa pessoa. Seu mundo, então, vira de cabeça para baixo. Ela teria um amante?
Quatro décadas depois, Ellie Haworth, uma jornalista do jornal Nation acaba encontrando uma dessas cartas. E como ela mesma se envolve com um homem casado, resolve ir atrás dessa pessoa que assinou como B, para saber o que aconteceu com essa situação e publicar uma matéria sobre essa história de amor trágica que até mesmo lembra a dela em alguns momentos, fazendo com que reveja suas decisões e repense sobre as suas atitudes, principalmente com relação ao amor.
Este livro foi escrito em terceira pessoa, o que achei bem legal, já que assim conseguimos acompanhar tudo o que estava se passando na história de uma forma mais ampla. Ele narra o presente e o passado, alternando as épocas, e fazendo com que a gente tenha que prestar um pouco mais de atenção no enredo sobre esses detalhes, já que não é uma leitura linear, mas acaba nos passando, assim, um melhor entendimento da mesma.


Últimos Lançamentos – Faro Editorial


Oii, gente! Tudo bem com vocês? Hoje vou falar dos últimos lançamentos da Faro Editorial (de maio, junho e julho). Estou louca para ler todos os três! <3 E vocês?
A Perversa - Amor e Mentiras #02 - Tarryn Fisher (Skoob)
Leah Smith finalmente vive um momento muito especial. Conquistou aquele que considera o “homem da sua vida”, mas não está completamente feliz. Leah se sente insegura, como se fosse sempre a segunda opção e sua vida atual, como um castelo de cartas, pudesse desabar a qualquer momento...
E, mais do que sentir, ela sabe que Caleb nunca a olhou com aquele brilho especial que dirigia a Olivia. Então, se por um lado se sente vitoriosa, por outro, percebe quanto é desgastante e trabalhoso manter a sua conquista.
Agora, oficialmente casada com Caleb, ela vai até as últimas consequências para manter unidos os pedaços de uma vida construída por segredos, mentiras e trapaças. E, quem sabe, amor. Mas não é assim que devemos fazer para lutar por quem amamos?

O Impostor - Amor e Mentiras #03 - Tarryn Fisher (Skoob)

Uma série sobre amor muito realista, na qual não existem mocinhos, capaz de surpreender a cada nova página. Caleb Drake nunca esqueceu seu grande amor. Nem depois de se casar com Leah ou mesmo quando Olivia se casou com outro. Num momento em que a vida de todos parece entrar num turbilhão de mudanças, ele sente que precisa tomar uma decisão. Talvez a mais importante da sua vida. Caleb tem algumas certezas, mas, agora, há muito mais em jogo. Qualquer caminho que escolha trará graves consequências. Então ele descobre que, para seguir seus instintos, o preço pode ser insuportavelmente alto.

>> Resenha de “A Oportunista”, primeiro volume da trilogia.


Coração de Tinta - Mundo de Tinta #01 - Cornelia Funke

Eu tenho uma regra de nunca ver filmes ou seriados antes de ler os livros que os derivaram, pelo simplesmente motivo que raramente são melhores e bem adaptados dos livros. Infelizmente não é sempre que consigo seguir minha própria regra, e Coração de Tinta, escrito pela autora Cornelia Funke, e publicado pelo selo Seguinte da Editora Cia das Letras foi um dos que fugiram a regra. E volto a afirmar leia primeiro, depois assista!

Meggie é uma devoradora de livros, característica que herdou de seu pai um restaurador de livros. Ela não se lembra da mãe, e tudo que tem é seu pai. Em uma noite eles recebem a visita de Dedo Empoeirado, uma figura estranha que faz com que seu pai parta junto com ela para a casa de sua tia e esconda um livro.

Esse livro é importante, mas a menina não faz ideia de porque.  Esse segredo só se junta a outros como o desaparecimento da mãe, o estranho fato de Mo nunca ter lido para ela e depois as estranhas visitas que levam seu pai embora. Agora junto com sua tia Elinor, Meggie deve partir atrás de seu pai e de respostas para as perguntas que não param de surgir!

Funke criou sua narrativa em terceira pessoa, focando em especial sua atenção na jovem Meggie. A autora tem um estilo de escrita que poderia chamar de sombrio e que nos deixa na angústia por longas horas. Ao contrário do que eu imaginei não tive aquela sensação acalentadora de ler uma fantasia. Embora a estória tenha uma magia ela não é constante, lidamos a maior parte do tempo com os vilões e os reflexos de suas ações, e isso trouxe mais incomodo do que alívio. Isso comprometeu meu ritmo de leitura, além do fato de os fatos demorarem a acontecer.

Meggie está em uma transição de sua infância para a adolescência, ainda é muito inocente e seu conhecimento da vida vem através dos livros que lê. Ela os usa como metáfora e meios de compreender a realidade, já que seu pai também tem essa linguagem. A ausência da mãe é como um fantasma não comentado entre eles, e é pontual na personalidade da menina mesmo que ela não tenha se dado conta. É determinada, corajosa e inteligente.


O Ladrão de Casaca - As Primeiras Aventuras de Arsène Lupin - Maurice Leblanc

Mestre do disfarce, Arsène Lupin é um ladrão brilhante, da mais alta categoria: rouba dos mais ricos, muitas vezes até anunciando o crime antes de o mesmo ser cometido, com planos elaborados e bem executados, sem deixar o bom humor de lado. Seu nome já ganhou fama e agora é temido: se você é o alvo dele, tenha certeza de que é melhor aceitar suas instruções, se as mesmas forem feitas, afinal, de um jeito ou de outro, tudo será realizado no tempo certo e da maneira prevista, e é melhor perder somente o necessário do que ficar completamente sem nada.
Esta obra reúne os primeiros nove contos sobre o tão carismático Arsène Lupin. A primeira aparição do personagem aconteceu na edição nº 6 da revista Je Sais Tout, publicada em 15 de julho de 1905 (ou seja, completa 111 anos hoje. E, sim, foi por isso que escolhi esta data para postar a resenha), por conta de um convite feito pelo conhecido e respeitado editor Pierre Lafitte, que pediu para Maurice Leblanc escrever uma ficção policial a ser publicada nela. E é para ele que, no começo deste exemplar, o autor dedica suas histórias inaugurais, que foram publicadas exatamente nesta mesma ordem em uma edição única em 1907.
Portanto, aqui estão presentes: “A Detenção de Arsène Lupin”, “Arsène Lupin na Prisão”, “A Fuga de Arsène Lupin”, “O Passageiro Misterioso”, “O Colar da Rainha”, “O Sete de Copas”, “O Cofre-forte da Sra. Imbert”, “A Pérola Negra” e, para finalizar, “Herlock Sholmes Chega Tarde Demais”.
E, sim, este último é uma sátira ao tão famoso e adorado Sherlock Holmes, que teve uma aparição em outro conto deste livro, com seu nome verdadeiro, e em mais algumas obras protagonizadas por Lupin, publicadas posteriormente a esta.  


E tenho que dizer que Holmes é um dos meus personagens literários favoritos da vida, então fiquei com um pouco de ciúmes do último conto antes de ler, mas no final não achei que tenha afetado sua imagem negativamente, então acabei gostando desta história também.
Em cada uma de suas pequenas aventuras, vamos conhecer melhor a personalidade de Lupin, seus propósitos, o que o move, e como algumas coisas simplesmente acontecem porque estavam em seu caminho. Enquanto zomba das convenções estabelecidas e de membros da alta sociedade, nosso protagonista adentra entre outras pessoas em cenários óbvios por conta de seus propósitos, realiza grandes feitos e constrói uma grande fama.
Vamos poder acompanhá-lo nas mais diversas situações: vencendo, perdendo, sendo preso, fugindo, bolando planos, colocando-os em prática, construindo amizades no mínimo interessantes, se encantando por uma mulher, se surpreendendo, sendo vítima de um golpe e em um embate com o célebre Herlock Sholmes, entre outras. Gostei muito de todas as histórias contidas neste exemplar, mas as minhas preferidas foram “O Sete de Copas” e “O Cofre-forte da Sra. Imbert”.
Alguns dos contos estão em terceira pessoa, outros em primeira. Não vou comentar muito a respeito disso porque existem explicações a respeito de quem são os narradores nas próprias histórias, o que poderia acabar sendo spoiler.


Eu realmente adoro este tipo de clássico: leve, divertido, com personagens carismáticos, que tem uma pitada de mistério, além de um lado cômico e uma narrativa fácil, direta e fluida. Tanto o texto quanto as situações em que os personagens se envolvem são bem elaborados de uma maneira simples e inteligente, ou seja, as explicações para as atitudes do protagonista são condizentes com a realidade e aceitáveis, mas também são fáceis de o leitor entender se prestar atenção. O que mostra que o ser humano poderia ser capaz de muito mais se prestasse mais atenção.


Para Sir Phillip, Com Amor - Os Bridgertons #05 - Julia Quinn

Eloise Bridgerton é a quinta filha de Violet e Edmund, sendo a segunda mulher, e é dona de uma personalidade extrovertida e direta, gosta de dizer o que pensa, e sempre tem muito a falar. Mas uma das coisas de que mais gosta é, definitivamente, escrever cartas. Quando soube que uma de suas primas distantes, que conheceu quando era criança, veio a falecer, decide enviar uma pequena carta de pêsames ao viúvo, que para sua surpresa, acaba respondendo de maneira simpática.
Depois de um ano trocando cartas, eis que Sir Phillip decide propô-la em casamento, afinal gostaria de encontrar uma mãe para seus filhos, com quem ele não sabe lidar, e também para ajudá-lo a colocar ordem e organizar tudo em sua casa, afinal ele não leva jeito para nada disso, preferindo sempre a companhia de suas plantas, já que é um grande estudioso do assunto.
Ele já havia decidido encontrar uma nova esposa desde que a primeira, Marina, havia morrido. Mas as coisas estavam difíceis porque seus filhos são conhecidos como pestinhas e afugentam qualquer pretendente aceitável. E depois de conhecer a personalidade de Eloise, ele acredita que ela provavelmente será uma ótima opção, então decide convidá-la a fazer uma visita em sua casa no campo, para ver se ambos se dão bem o suficiente para isso.
Porém, a dúvida que fica é: o que motivaria a destemida e difícil (no sentido de não aceitar qualquer pretendente) Eloise a aceitar se encontrar com alguém que nunca nem mesmo viu ao vivo, com uma proposta de casamento, mesmo depois de ter rejeitado inúmeras ao longo dos anos em que frequenta a sociedade londrina?
O que acontece é que nossa jovem sempre acreditou que precisava encontrar o amor e um homem decente e inteligente no mesmo pacote, o que não havia acontecido até então. E ela nem mesmo se preocupava com isso, afinal era solteirona junto com sua melhor amiga desde sempre, Penelope Featherington, quem Eloise sempre acreditou que não teria sua condição de solteira mudada nunca. Exceto que, recentemente, seu irmão, Colin, olhou para a moça com outros olhos e eles acabaram, finalmente, ficando juntos. Deixando nossa Eloise muito feliz, mas também com uma pontada de aperto no peito, afinal não gostaria de ficar solteirona e solitária o resto da vida, então precisava também encontrar a felicidade.
Só que ao vivo as coisas não são exatamente como o esperado: Phillip é rude e grosseiro, enquanto Eloise é uma tagarela. Ambos estão meio chateados com a situação, mas decidem tentar se entender mesmo assim. Será que as motivações que eles criaram para este enlace serão suficientes para driblarem o que sentem em relação a personalidade um do outro? Ou tudo isso pode ser mais do que aguentariam? Mas como algumas decisões foram tomadas, agora pode ser tarde demais para voltar atrás. Será que Eloise fez a escolha certa? Ou se arrependerá pelo resto de sua vida?
De todos os volumes da série “Os Bridgertons” que li até agora (ainda faltam três), este foi, infelizmente, o que menos gostei. O que não torna a leitura ruim, pelo contrário, continua sendo linda e deliciosa, mas o personagem masculino, Sir Phillip, não me agradou muito – apesar de ter compensado no final –, o que acabou afetando os meus sentimentos com a obra de maneira geral.


Os Segredos de Colin Bridgerton - Os Bridgertons #04 - Julia Quinn

Penelope Featherington nunca foi a mais bela dos bailes, ou uma pretendente cobiçada pelos homens em nenhum dos muitos anos que frequenta a sociedade londrina. No decorrer do caminho ela já viveu sob implicância e provocações de outras moças; já se vestiu de maneira abominável porque sua mãe escolhia as piores cores e modelos para ela usar, que não lhe favoreciam em nada, pelo contrário, acabavam lhe desfavorecendo completamente; já viu muitas amigas e outras pessoas se casarem, incluindo os mais novos; já teve que ouvir sua mãe bolando planos, colocando-os em prática, e depois desistindo de tudo, já que a considera uma completa solteirona agora que possui 28 anos; já ouviu o rapaz por quem é apaixonada, Colin, falar coisas que a magoaram; já foi deixada de lado nos bailes sem dançar mais vezes do que poderia contar, e também já foi tirada para dançar por pura pena.
E muitas outras coisas nada agradáveis. Inclusive já aceitou que vai ser solteirona pelo resto da vida e não há muito o que se fazer quanto a isso. Mas, nem por conta de todas essas situações, Penelope deixou de ser uma moça adorável, divertida e dona de um humor afiado.
Depois de acompanharmos os romances de três irmãos, Daphne em "O Duque e Eu", Anthony em "O Visconde Que Me Amava" e Benedict em "Um Perfeito Cavalheiro" (clique nos títulos para conferir as resenhas), agora é a vez do mais divertido de todos ganhar sua própria história de amor: Colin Bridgerton, aquele que fez o coração de muitas moças solteiras (e algumas casadas também) derreterem. Ele é alguém alto astral, simpático, e muito, muito cobiçado. Afinal, mesmo não tendo títulos, pertence a uma das famílias mais amadas/temidas de toda a sociedade londrina, e é bastante rico e dono de um rosto maravilhoso, assim como de uma personalidade incrível. Só que ele não está nem um pouco a fim de se casar e nem pretende ficar muito tempo em casa, viajando sempre que possível por diversos lugares do mundo inteiro.
Agora Colin está de volta a Londres e acaba descobrindo algo que nunca pensou que pudesse acontecer: seus olhos se fixam em alguém que esteve bem próxima a ele, e ele só precisava se focar nela para perceber isso. Penelope está mudada, se transformou em uma moça bela e dona de uma personalidade instigante. Ou será que foi ele que mudou e agora pôde perceber tudo isso? De uma companhia casual a alguém que ele quer passar todo o tempo disponível do lado, Penelope vai mexer com suas estruturas.
Só que ela acaba descobrindo alguns segredos sobre ele que vão modificar seu modo de pensar no rapaz, afinal ele tem muito mais por baixo de sua aparência do que ela poderia ter previsto. E ele também descobre algo muito sério a respeito dela, que vai complicar a situação ainda mais. Afinal Penelope pode ser uma grande ameaça a Colin ou pode ser a solução para tudo. Será que eles vão conseguir combater o que estiver pelo caminho para viver um grande amor ou isso nunca será possível?
Confesso que estava esperando muito deste volume, inclusive porque acreditei que o Colin seria o meu irmão preferido da série. Não foi (este posto ainda ficou com o Anthony... ai, ai!), mas ainda assim amei-o com muita intensidade.
O título faz jus ao livro, já que vamos conhecer mais a fundo este personagem tão carismático de um jeito que nunca antes fomos capazes, afinal, ele também tem seus lados obscuros, com uma pitada de agonia, drama, melancolia e desejo por mais. Colin é mais do que um rosto bonito com um sorriso motivador, e vamos, inclusive, ver o porquê de seu lado aventureiro ser tão aflorado, e ainda conhecer uma parte mais intelectual dele.
Adoro a Penelope e amei poder acompanhar uma trama sob sua perspectiva e conhecer mais de sua personalidade maravilhosa. Sempre desejei mais para ela, desde sua primeira aparição com seus vestidos feios e vontade de ser/ter mais. Adoro saber que conseguiu ficar com quem gostava desde novinha, esse tipo de conexão/história sempre me encanta, e acho que ela combina perfeitamente com Colin.
Foi realmente muito bacana, lindo e apaixonante ver o início do relacionamento dos dois como um casal. De como tudo começou com o fortalecimento da amizade deles, que já existia apesar de não ser tão forte assim, e como passaram a ser mais amigos do que antes, mais íntimos e confidentes, e de como isso virou amor. Daquele tipo que nos faz suspirar e desejar ter algo semelhante para viver também.


Como Eu Era Antes de Você - Como Eu Era Antes de Você #01 - Jojo Moyes

Depois de muitas indicações de vários amigos falando que amaram o livro e o filme, e de que não acreditavam que eu ainda não tinha lido, resolvi começar a ler “Como Eu Era Antes de Você”. Eu já era uma fã de Jojo Moyes e sabia que, para ler esse exemplar, eu precisaria de uma caixinha de lenço ao meu lado, e realmente precisei. Agora, venho compartilhar com vocês todas as minhas opiniões a respeito desta obra publicada aqui no Brasil pela editora Intrínseca.
Neste volume conhecemos Louisa Clark, uma mulher de vinte e seis anos, que não tem muitas ambições na vida. Ela trabalha em uma lanchonete que não paga tanto, porém, o que ganha ajuda nas despesas da casa. Ela mora com os seus pais, sua irmã, que é mãe solteira, seu sobrinho e seu avô, que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame.
Lou leva a sua vida normalmente, até que recebe a triste notícia de que o café onde trabalha vai fechar, fazendo com que ela tenha que procurar um novo trabalho. Nossa protagonista então consegue um emprego como curadora de um tetraplégico, pois, mesmo não tendo nenhuma qualificação, ela era despojada e poderia fazer com que Will, o homem que iria cuidar, visse a vida com outros olhos.
Will Traynor é um homem rico que sempre levou uma vida bastante feliz. Ele sempre foi um homem bastante ativo, que gostava de praticar esportes radicais, tinha uma linda namorada, era bem sucedido em seu trabalho, já que é sócio de uma empresa em expansão, ou seja, aquele típico ser humano que sabia aproveitar sua existência. Quando sofreu um acidente que o deixou tetraplégico, Will perdeu a graça de viver, e se tornou alguém mal humorado, bastante sarcástico e que fala com as pessoas com bastante grosseria.
Vemos que nossa protagonista no início pensou várias vezes em desistir e pedir demissão do emprego, mas, por insistência da mãe de Will, ela continuou, muitas vezes convivendo mais com o Nathan, enfermeiro de Will, do que com o próprio.  Até que Lou começa a responder a Will de forma grossa e bastante sarcástica, ou seja, da mesma maneira que ele trata os demais, e vemos que surge uma bela amizade entre os dois, já que ambos passam a fazer várias coisas juntos, desde assistir filmes, visitar alguns locais, entre outros, criando um laço entre eles, e fazendo com que Will consiga se abrir com nossa protagonista.
O livro é bem bonito e consegue prender a gente do começo ao fim com uma história carregada de emoção. O final é daquele tipo que vai dividir opiniões de todos, e eu me vejo dividida também. Eu acho que o que o Will fez foi corajoso da sua parte, na questão de pensar em como ele afeta aos outros e tal, mas eu não sei se concordaria com a sua decisão.


Era uma Vez no Outono - As Quatro Estações do Amor #02 - Lisa Kleypas

A trama de “Era Uma Vez No Outono” é passada no ano de 1843 e narra a história de Lillian Bowman, uma jovem de família muito rica, que saiu dos EUA e foi morar na Inglaterra com a finalidade de encontrar um marido da aristocracia londrina, pois ela não possuía títulos e seus pais desejavam isso. Só que Lillian achava que nenhum homem conseguiria fazer suas pernas tremerem e seu coração bater mais rápido, afinal isso não havia acontecido até o momento e ela já até era considerada solteirona.
Na época, os jovens iam a bailes e os cavalheiros retiravam as damas para dançar, o que quase nunca ocorria com Lillian e suas três amigas: sua irmã mais nova, Daisy, Annabelle e Evangeline. Cada uma delas tinha uma personalidade bem distinta das demais, e possuía suas próprias dificuldades em arranjar um pretendente que fosse virar marido. Nossa protagonista, por exemplo, era muito extrovertida, audaciosa, não se importava com as regras explícitas e implícitas impostas pela sociedade, gostando de praticar esportes que eram mais voltados para os homens, levantava suas roupas, mostrando um pouco mais do que deveria; não tinha o tato e a educação londrina; entre muitas outras coisas.
Por estarem sempre sobrando nos bailes, as quatro moças se uniram e tornaram-se amigas, bolando planos para que cada uma delas conseguisse conquistar pretendentes com dinheiro e/ou nome. A primeira delas a conseguir alguém foi Annabelle, como visto no primeiro volume desta série, “Segredos de Uma Noite de Verão” (clique para conferir a resenha). Agora, é a vez de Lillian.
Como já vimos antes, o arrogante e reservado Marcus Marsden, o lorde de Westcliff, é o único que consegue abalar as estruturas dela, só que da pior maneira possível, visto que Lilian o despreza completamente. Dono de uma grande fortuna, Marcus aparentemente é prepotente, mas no fundo tem um bom coração, apesar de saber se impor quando necessário sem ser rude, principalmente porque sempre foi criado para ser o melhor devido a sua fortuna e título.
Eles vivem brigando, até que um encontro muda tudo. Será que Lillian será capaz de ver mais nele do que via antes a ponto de mudar de ideia? E ele conseguirá deixar de lado as convenções sociais para se aproximar de alguém tão inapropriada para sua posição, como Lillian?
Sou fã de romances de época e estou acompanhando as obras de Lisa Kleypas que estão sendo publicadas aqui no Brasil, e até o momento já li quatro das sete. Mas não consigo decidir qual é a minha preferida, visto que cada personagem me conquistou de sua maneira.


Manhã de Núpcias - Os Hathaways #04 - Lisa Kleypas


Cada livro que escolhemos para ler é uma surpresa que se descortina, por mais que tenhamos noção do que se trata cada 'viagem' só se mostra boa ou ruim ao fim dela, entretanto alguns autores no oferecem portos seguros, livros que temos certeza que vão nos agradar, e ancorar nessas ilhas de vez em quando é muito tranquilizador! Lisa Kleypas é um desses lugares certeiros em meio a tanta incerteza, Manhã de Núpcias é o quarto livro da série Os Hathaways, e foi publicado pela Arqueiro.

Leo Hathaway é o único homem em sua família entre suas irmãs, ele herdou o título de Lorde Ramsay e com ele suas responsabilidades. Após momentos conturbados seu espírito finalmente está em paz. Mas a governanta da família, Catherine Marks começa a ameaçar sua paz, juntamente com uma cláusula que exige que ele esteja casado e com um herdeiro para manter a Mansão Ramsay. Leo será capaz de vencer seus medos e amar novamente, e Catherine superará seu passado para ser feliz? Uma história de amor que se constrói sobre as feridas!

Aiai Lisa!, sempre fazendo com que eu engula seus livros sem me dar conta! Kleypas segue com sua narrativa em terceira pessoa focando nos protagonistas da trama que neste volume é Leo e Catherine. A leitura flui de maneira muito impar, a ponto de as horas passarem e não cansarem a mente. Quase dois dias e lá se foi o livro, deixando aquela vontade de estar entre os personagens e passar algumas horas com eles.

Kleypas consegue transmitir a atmosfera da época sem soar pesada e maçante, são tantas a regras e expectativas da sociedade, ao mesmo tempo em que essa família as ignora e cria sua própria maneira de existir que até para os dias de hoje pode soar meio doida. O que importa é a família, a união, o amor e a bondade. Embora esbarremos com personagens egoístas e ruins estes também tem uma humanidade que desperta compaixão.


A Guardiã do Tempo - Timeless #02 - Alexandra Monir

Desde que eu li o primeiro volume desta série, fiquei encantada com a história e querendo muito poder ler a continuação. Então, assim que me foi possível, embarquei de novo nesta aventura escrita por Alexandra Monir e publicada aqui no Brasil pela editora Jangada.
No livro anterior vimos que Michele consegue viajar no tempo por conta de um diário que encontrou na casa de sua avó, e por ter no seu sangue o gene de viajante no tempo, já que seu pai também era um. Vimos como ela foi aprendendo aos poucos sobre os seus dons, e, ao viajar para 1910 (data em que o diário foi escrito), acabou se apaixonando por Philip Walker.
Agora vemos que ela está de volta aos dias atuais e sente muita falta de seus dias com Philip, já que passou ótimos momentos com ele, e não sabe se algum dia vai reencontrá-lo. Quando ela se surpreende ao se reencontrar com o seu grande amor, ele não a reconhece para sua grande decepção, mas nossa protagonista não desiste de tentar fazer com que ele se lembre dela.
Em meio as suas pesquisas, Michele se vê envolvida em um embate que dura mais de cento e vinte anos, já que seu pai era envolvido com uma organização misteriosa de nome Sociedade Temporal, e mesmo fazendo algumas descobertas, ela se vê obrigada a fazer uma viagem no tempo, onde cada segundo é de suma importância, e onde sua vida está em risco.
Filha de pais de décadas diferentes, já que seu pai viajou para frente de seu tempo e conheceu a sua mãe e desse relacionamento gerou ela, Michele é bastante madura e, apesar de ter apenas dezesseis anos, em vários momentos pensei que tinha mais idade. Além do mais, ela é uma protagonista forte e determinada que aprende aos poucos sobre o seu dom, e foi bem gostoso poder acompanhar o seu crescimento.


Rick e Cath - Recomeçar #01 - Eva Zooks

Quando vi a capa deste livro pela primeira vez, fiquei bastante interessada em saber sobre o que se tratava, e após ler a sinopse vi que era um título bem promissor, que com certeza me agradaria. Por este motivo resolvi começar a minha leitura e agora venho compartilhar com vocês meus comentários sobre esta obra. Este título é o primeiro volume da série Recomeçar, publicada pela Ler Editorial.
Neste exemplar conhecemos a história de Rick e Cath, que acabaram de passar por uma tragédia, e logo nas primeiras páginas já conseguimos ver pelo que passaram. Rick faz parte de um grupo de cinco amigos que são bastante unidos, eles se conhecem desde pequenos e agora são sócios em uma fazenda. Os cinco sempre ajudam uns aos outros e são como uma grande família. Cath é a irmã de Leo, um médico bastante respeitado na cidade, e um desses cinco amigos. Desde adolescente ela nutriu um sentimento por Rick, mas como esse acabou se casando, seguiu com a sua vida fora da fazenda. Agora, ambos passaram por uma grande tragédia e eles se vêem juntos para tentar superar a dor e conseguir enfrentar o que aconteceu.
A narrativa deste volume é em terceira pessoa, o que achei bem legal, já que assim conseguimos entender tudo que se passa na história de uma forma mais ampla, e achei que mesmo em terceira pessoa, a autora conseguiu expressar bem os sentimentos que todos estavam nutrindo.
A trama é bem gostosa e os personagens são ótimos. Todos eles conseguem nos encantar, cada um com o seu jeito de ser, nos fazendo ficar torcendo por cada um em todos os momentos. A narrativa é rápida e fluida, nos prendendo do início ao fim com um pano de fundo que consegue despertar diversos tipos de sentimento na gente durante toda a leitura. Prepare o lencinho, pois em alguns momentos você vai precisar. O livro tem algumas cenas mais quentes por assim dizer, então se você não curte, vai ter que pular algumas páginas.


Felicidade Temporária - Bliss #01 - BJ Harvey

Makenna Lewis viveu um período terrível com seu namorado de colégio, que era um bad boy de mexer com os corações das moças, mas que depois se tornou alguém amargurado que aprontou poucas e boas com ela. Quando percebeu que não poderia mais viver aquela experiência horrível, decidiu ir embora e mudar de vida, mas fez uma promessa para si mesma com a certeza de que não quebraria: não vai ter compromisso romântico com mais nenhum homem. Agora eles só serão seus amigos com benefícios, ou seja, para fazer sexo e nada sentimental.
Por conta disso, ela mantém relações com três homens: Noah, Sean e Zander, cada qual com suas habilidades e forma de fazê-la se sentir diferente. Os três a fazem se sentir completa em sua vida, de maneiras opostas, mas igualmente necessárias, e cada um sabe da existência do outro, já que ela quer manter tudo às claras.
Mas tudo está prestes a mudar quando ela conhece o Delicioso Daniel Winters, um homem carismático e muito bonito, no metrô. Eles começam a se encontrar e, por conta de uma aposta com sua melhor amiga, ela decide que não vai ter relações carnais com ele até o terceiro encontro. Enquanto começam a se conhecer melhor, os sentimentos de Mac começam a ficar mais aflorados, só que ela não está disposta a ceder.
Quando percebe que Daniel quer mais do que ela quer oferecer, ela foge. Afinal, não pode sofrer novamente, e não vai. Porém, será que esta é a atitude mais sensata a se fazer? Será que seu coração está preparado para dizer adeus ao homem que mais parece se encaixar em sua vida, aquele que possui tudo e mais um pouco do que ela precisa? Bem, resta a Mac olhar para dentro de si e descobrir se vale a pena arriscar ou se seu passado sempre encontrará uma forma de assombrá-la.
Lembro-me que este foi um dos primeiros títulos publicados pela Editora Charme e, desde então, tenho vontade de lê-lo, mas acabei não fazendo isso antes e até agora não sei ao certo os motivos. Mas fico contente de finalmente poder ter lido, pois adorei a obra de BJ Harvey.
Makenna é meu total e completo oposto. E talvez por isso mesmo que eu tenha gostado dela. Possui três amigos coloridos, que a satisfazem sexualmente de uma maneira diferente dos demais, não cria expectativas românticas e nem tem vontade de se envolver com alguém com sentimentos além dos carnais, é determinada, bem resolvida, tanto pessoal quanto emocional e sexualmente, e tem uma autoestima bem alta e sabe como utilizá-la a seu favor.
Além do mais, ela é super divertida e forma uma dupla sem igual com sua melhor amiga, Kate, que é diferente dela no aspecto do romantismo e que, sim, encontrar sua alma gêmea. Estou bem empolgada para ler a obra narrada por ela e ver seu romance, que já deu indícios de com quem vai ser neste exemplar, e fiquei curiosa para ver como vai ser desenvolvido.


Editora Charme: Novidades e Lançamentos

Oii, gente! Como vocês estão? Hoje vou falar dos lançamentos que a Editora Charme está preparando para nós, leitores. Já quero ler ambos! <3 Também aproveito para falar dos eventos que a editora está preparando. Anotem nas suas agendas e compareçam! E tem uma promoção que a Saraiva está fazendo, e os títulos deles estão no precinho, corram para aproveitar!
Zane - Patrícia Rossi (Skoob)
Zane Hudson. Motoqueiro. Músico. Tatuado. Quinn Armentrouth. Alta sociedade, luxo, glamour. Tudo no mundo para separá-los.
Ele sabe o que é abandono. Ela já foi traída. Uma ex perseguidora. Um ex que não aceita perder. Eles pertencem a mundos diferentes. Mas nem por isso a química entre eles é menor. A atração é explosiva, instantânea. Uma mãe que abandona... Outra que repreende. Percalços. Sexo, romance... amor. Essa paixão seria forte o suficiente para mantê-los unidos?
>> Sucesso no Wattpad e Amazon, “Zane” ganhou uma boa repaginada, com direito à nova revisão e capa de fazer qualquer um babar.
>> O livro já está em pré-venda, com lançamento oficial em 29/07/2016. E quem comprar até o dia do lançamento na loja da Editora Charme leva o livro autografado.
7 Dia Para Sempre - O Casamento - Viajando com Rockstars #1.5 – Aline Sant’Ana [Somente em E-book] 
Carter McDevitt e Erin Price vão se casar. Quatro anos após desembarcarem do Heart on Fire, vivendo um relacionamento incrível do começo ao fim, o felizes para sempre está a um passo, mas existe um grande empecilho que poderá colocar tudo a perder.
Sentindo-se obrigada a seguir os conselhos dos agentes da banda The M’s – os quais foram bem diretos ao exigir que fosse feito o casamento do século –, Erin vai contra o desejo pessoal de realizar uma cerimônia privada e tranquila, vinda direto dos seus sonhos, em prol da imagem pública de Carter.
Além do evento gigante para administrar, no qual ela sequer sente-se confortável, Erin percebe que Carter está cada dia mais ocupado, dando prioridade a tudo relacionado a The M’s e, em consequência, tornando-se negligente ao relacionamento dos dois. É evidente que o topo da fama cobra seu preço. Erin só não estava preparada para temer a perda do próprio noivo durante o processo.
O romance de conclusão do primeiro casal da série Viajando com Rockstars traz um toque de sensibilidade, nostalgia e nos faz mergulhar diretamente na paixão avassaladora que viveram em alto-mar. Através do destino, ambos conseguiram retomar sete anos perdidos em sete dias e agora deverão provar para si mesmos que a semana mais marcante de suas vidas, tão passional e perfeita, poderá durar para sempre
>> Resenha de “7 Dias com Você”, primeiro volume da série.


O Segredo da Caveira de Cristal #01 - Mallerey Cálgara


Pensando no processo de escrita de um livro acredito pessoalmente que a questão mais difícil a se trabalhar em uma obra é a criatividade, porque ela não é uma característica que pode ser aprendida, é na verdade uma semente que todos temos e que precisa ser regada, e com constante água rende bons frutos. Ler livros com propostas criativas não é o mais comum, livros de fantasia então menos ainda. O Segredo da Caveira de Cristal - Livro I, da autora Mallerey Cálgara, publicado pela Mundo Uno Editora é um desses raros livros criativos, mas que infelizmente me deixou de coração apertadinho em dizer que não foi bem trabalhado em seu plantio.

Heilland é um reino próspero e feliz, o rei Alphonsus governa com justiça ao lado de sua esposa a rainha Arápia. Novas esperanças nascem quando ela dá a luz a gêmeos, mas a rivalidade entre os dois já havia nascido em seu ventre. Com o passar dos anos o novo herdeiro já havia sido determinado, mas após uma previsão o rei muda seu escolhido, e com isso dá início a uma guerra sangrenta pelo trono. Uma disputa entre irmãos e um mago que busca proteger seu rei e reino a todo custo.

Cálgara fez sua narrativa em terceira pessoa de forma muito peculiar. Primeiro ela nos orienta dentro de lendas a cerca do mundo que vai nos inserir, depois apresenta cada um dos reinos que existem neste universo, e isso foi interessante, mas no fim sem propósito visto que os reinos citados não voltam a aparecer, a não ser brevemente citados. Acredito que essas lendas poderiam ter sido explorados ao longo da narrativa. Depois é que se segue a estória central no reino de Heilland, mas essa trama é traçada ao longo de uma extensa linha do tempo.

Livros do gênero alta fantasia pedem por estórias detalhadas, repleta de características e longas, muito longas. Aqui temos essas coisas de forma abreviada, assim algumas partes interessantes acabam pode ser apenas brevemente citadas. Exemplo a viagem que o mago realiza para os reinos, só este trecho renderia um livro, e poderia ter sido melhor explorado com as características citadas pela autora no início do livro.

O que mais incomodou na narrativa foi primeiro, o desaparecimento súbito do rei Alphonsus, quando seu filho assume o trono e sua esposa falece ele simplesmente adoece e some. Entretanto ele como ex-soberano deveria pelo aparecer como figura de sabedoria orientando o filho. Depois mais tarde em uma parte que nada se ligava ele volta a ser citado. Outro aspecto que a mim soou forçado é o fato de o rei e o mago estarem sob o mesmo teto que o vilão- irmão do rei, e não se darem conta de nada que se passa na sua ala de habitação. Tudo bem as pessoas serem mais ingênuas, mas achei que até o desfecho do livro Mongho, o mago é muito inocente! Alias o rei também não dá conta da transformação do amigo de aprendiz de mago para mago, e isso também soou forçado.

Hein, o jovem rei é repleto de potencial para transformar seu reino em algo justo a todos, mas sua falta de capacidade de ver além, de observar quem são seus inimigos e estar preparado é irritante! É uma personagem leve, divertido e leal. Mas carece de profundidade, de conflitos e majestade.



O Caderninho de Desafios de Dash e Lily - Dash & Lily #01 - David Levithan e Rachel Cohn

Pela primeira vez, Lily vai passar sua época e feriado favoritos do ano praticamente sozinha, já que seus pais foram viajar para uma lua de mel tardia, seu avô foi visitar a namorada em outro estado, e seu irmão está bem distante da menina, ainda que esteja ali em Nova York, visto que está vivendo um sonho com seu novo namorado e nem tem tempo para ela.
Para afastá-la da amargura e buscar alguém por quem Lily possa se apaixonar, Langston (o irmão) decide ajudá-la a escrever algumas pistas em um caderninho Moleskine vermelho e deixá-lo na Strand, uma caótica livraria de Manhattan, e quem o achar deve decidir se vai aceitar ou não o desafio.
Dash não gosta nada do Natal e consegue bolar um plano para passar a data sozinho e rodeado de paz, sem que outras pessoas notem. Mas parece que um certo objeto vai mudar tudo. Em uma de suas visitas à Strand, acaba se deparando com o Moleskine próximo aos livros de um de seus autores preferidos, e decide abri-lo para saber do que se trata. Intrigado com as propostas do caderninho, decide ir em frente e desvendar as pistas.
Em meio a trocas de enigmas e respostas, Dash e Lily começam a conversar sobre a vida, seus sonhos, desejos e sentimentos mais profundos, sem nunca se verem, só deixando o objeto em locais inusitados e diferentes. Até que percebem que aquelas palavras podem vir a ser mais do que marcas de tinta no papel. Mas talvez aquilo só exista na imaginação deles e a realidade não seja nada do esperado. Ou talvez eles possam se surpreender com o resultado.
Já conhecia este livro há alguns anos, e a primeira vez que vi a capa, a achei fofa e fui pesquisar a sinopse. Claro que fiquei interessada, mas acabei não lendo porque não tinha sido publicado por aqui, então imagina a minha alegria quando a Galera Record anunciou que traria este ano para o Brasil? Assim que pude, comecei a lê-lo e realmente adorei!
 “– Você acha que contos de fadas são coisa de menina? Uma dica: pergunte a si mesmo quem os escreveu. Garanto que não foram só mulheres. É a grande fantasia masculina: só é preciso uma dança para saber que é ela. Só é preciso o som da música dela vindo da torre, ou uma olhada em seu rosto adormecido. E na mesma hora você sabe: é a garota da sua cabeça, dormindo ou dançando ou cantando à sua frente. Sim, garotas querem príncipes, mas garotos também querem princesas. E não querem uma paquera muito longa. Querem saber imediatamente.”