Mentes Sombrias – The Darkest Minds #01 – Alexandra Bracken

Em “Mentes Sombrias” conhecemos um mundo onde uma epidemia fatal acabou com a vida de muitas crianças, e as sobreviventes começaram a ser vistas como ameaça ao resto da população, pois elas apresentam sintomas, ou melhor dizendo, poderes de controlar pessoas e objetos (em diversos níveis diferentes, umas mais fortes, outras menos), apenas com a mente, ou seja, elas são consideradas perigosas.
Para ter um controle sobre elas, o governo cria campos de reabilitação para onde todas as crianças são enviadas e ficam longe de tudo e todos, tendo que cumprir tarefas e proibidas de usar suas habilidades especiais, correndo o risco de sofrer sérias consequências caso desobedeçam as ordens pré-estabelecidas.
É nesse contexto que conhecemos Ruby, a protagonista dessa magnífica obra escrita por Alexandra Bracken. Ruby foi levada para Thurmond aos dez anos de idade, e é lá que vive até hoje, com dezesseis, longe do resto do mundo e só tendo contato com outros na mesma situação e os monitores. Ela sempre cumpriu as tarefas que lhe foram designadas e tentava viver sempre quieta e sem chamar a atenção de ninguém. Até que uma chance de escapar com vida cai em seu colo e ela resolve agarrá-la antes que seja tarde demais.
Nessa fuga, Ruby acaba encontrando por acaso com três outros fugitivos de outro campo, Liam, o líder deles, que tem uma idade próxima a sua e é o mais otimista do grupo, sempre tentando ter pensamentos positivos, gentil e protetor, além de inteligente; Bolota, também com idade próxima, um garoto magro, desconfiado, mal humorado, e um gênio; e, por último, Zu, uma menina mais nova, super fofa e muda, que tem poderes mais fortes que os outros dois.


Agora, junto com seus novos companheiros, Ruby segue numa busca para encontrar o Fugitivo, uma pessoa da qual eles não sabem muito, além de que ele pode ajudá-los a encontrar suas famílias e a sobreviver em meio a esse caos, fugindo de rastreadores, da polícia, e de pessoas que só querem a recompensa em dinheiro caso entreguem alguma criança às autoridades, afinal o país está passando por uma grande crise e dinheiro é o que mais falta.
“Eles nunca temeram pelas crianças que poderiam morrer ou pelos espaços vazios que eles deixariam. Eles tinham medo de nós – aqueles que viviam.”
Eu amei essa capa, logo que a vi fiquei muito intrigada (quem quiser saber, há uma explicação sobre o símbolo durante o desenvolvimento da obra) para conhecer o que se tratava a história, e o título também é super convidativo. Depois que li a sinopse e assistir o book trailer, não tive dúvidas, eu precisava ler o livro! E fico feliz por ter feito isso, já que a leitura é maravilhosa, vale muito a pena e entrou para a lista de favoritos.
Como algumas pessoas que acompanham minhas resenhas devem ter notado, eu simplesmente amo distopias. Não pensei que fosse gostar desse gênero tanto assim, mas ele acabou se tornando um dos meus favoritos. Isso pelo simples fato que, fora poucas características comuns, cada uma tem um pano de fundo e desenvolvimento muito diferentes das demais.

Nesse caso, conhecemos essas crianças, que têm poderes e são tratadas como se fossem armas poderosíssimas, já que podem matar pessoas somente com a força do pensamento. O governo começa a ter medo delas e passa a querer controlá-las, afastando-as de todo o resto da população, onde são separadas por cores (vermelho, laranja, amarelo, azul e verde), que definem as mais perigosas das menos.
A história criada e desenvolvida por Bracken é incrível e tenho certeza de que os leitores que gostam de distopias também vão curtir bastante essa. A leitura flui bem, mas o ritmo da narrativa não é frenético, os acontecimentos são desenvolvidos devagar, e a autora não deixa nada largado, sem motivos ou explicações. Além disso, e apesar das quase seiscentas páginas, a leitura acabou bem rápido, e me senti muito envolvida na vida dos personagens e em tudo o que estavam vivendo, torcendo para que as coisas dessem certo para eles e com aflição do que ocorreria em seguida.
Mesmo esse sendo o primeiro livro da trilogia, e tendo um teor mais introdutório, muita coisa acontece desde o momento em que abrimos a primeira página e começamos a leitura, até chegar ao final. Há momentos em que vivenciamos muita ação, outros em que tudo vai sendo desenvolvido com calma, existem momentos de tensão, alegria ou tristeza, somos levados ao passado e ao presente, de uma forma bem feita e explicativa, não deixando nenhuma ponta solta. Claro que ainda não sabemos sobre tudo o que aconteceu ou o que vem por aí, mas como primeiro volume de uma trilogia, acho que esse soube nos apresentar fatos e nos deixar curiosos na medida certa.


Os personagens principais foram bem desenvolvidos, principalmente a protagonista Ruby, já que, por ser narrado em primeira pessoa podemos acompanhar os pensamentos dela, e são muito cativantes. Gostei imensamente deles e não vejo a hora de poder ler o segundo volume (ainda sem previsão de lançamento no Brasil) para continuar acompanhando-os e saber o que vai acontecer.
Talvez eu tenha gostado um pouquinho (mas bem pouquinho mesmo) mais de Ruby e Liam, mas todos os quatro (eles mais Bolota e Zu) são especiais e conquistaram meu coração. Podem existir pessoas que não vão gostar muito do Bolota, porque ele é meio desconfiado e grosso em diversas ocasiões, mas eu entendo seus motivos para agir assim, e acredito que algumas pessoas também vão entender. A Zu me intriga e estou doida para saber mais sobre o seu passado.
O romance é muito leve, não tem muito aprofundamento (para quem não gosta quando essa é uma parte muito importante na história vai aprovar o desse livro), mas ainda assim é bem fofo, acontece no tempo certo, e eu adorei.
“– Sabia... que você me faz tão feliz que, às vezes, até me esqueço de respirar? Eu fico olhando para você e meu peito fica tão apertado... e o único pensamento na minha cabeça é sobre o quanto eu quero me aproximar e beijar você – ele soltou uma respiração trêmula. – Então, não fale sobre me tirar daqui, porque eu não vou embora, só se você também fizer parte do pacote.
[...]
– Você não entende...
– Então me obrigue – Liam disse. – Ruby, me dê uma razão para não podermos ficar juntos, e vou dar cem razões para podermos.”


A autora às vezes nos leva ao passado de Ruby por meio de suas lembranças, gostei disso porque pudemos conhecer melhor como algumas coisas aconteceram. E percebemos que ela apresenta pensamentos e forma de agir coerentes com tudo o que viveu até o momento, se fechando em algumas situações e mentindo para quem não conhece ainda. Achei isso bem realista, porque tem livros em que os personagens mal se conhecem e já são muito confidentes e confiam nos outros assim, sem mais nem menos, e aqui isso não ocorre.
Há muitos personagens que passam pelas vidas dos principais, alguns apresentam bastante importância em suas jornadas, outros nem tanto, mas uma característica da autora que eu gostei muito é que ficou difícil confiar nas pessoas. E gosto dessa sensação, porque enriquece os personagens e não dá para saber se o que falam é verdade ou não, a gente confia desconfiando.
O final é de partir o coração, e não pude evitar as lágrimas, mas entendo os motivos de Ruby agir como agiu. Também acaba em cliffhanger (onde alguma ação não tem finalização, deixando as respostas para os próximos volumes), e a gente fica sem saber o que vai acontecer em seguida, mas suuuper ansiosos para ler o mais breve possível. E, sinceramente, EU PRECISO LER LOGO!! hahaha


A diagramação está muito bem feita, com ótimo espaçamento e fonte em tamanho confortável para leitura. Na primeira página de cada capítulo há um efeito na parte superior que parece o do fundo da capa, e na parte inferior há esses arames farpados, que também estão presentes na capa, que por sinal está linda, mesmo sem nenhum diferencial na impressão (como verniz localizado ou alto-relevo).
Indico muito essa obra para todos aqueles que buscam uma maravilhosa distopia, com ação, um enredo delicioso e muito bem desenvolvido, a força da amizade e do amor, com uma pitada de romance e personagens incríveis.

Avaliação






Quem quiser conferir o book trailer legendado, que está bem legal, segue abaixo.

>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 17 - FORMULÁRIO



Comente com o Facebook:

10 comentários:

  1. NOSSA!!!!! ADOREI! Não conhecia o livro e fiquei encantada pela resenha e pelo book trailer. Mais um que entra para minha listinha de desejados!

    A capa é linda mesmo, adorei!

    bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Muitoo interessante! Fiquei super curiosaa! Eu não conhecia o livro também e fiquei morrendo de vontade de ler ainda mais por ser classificado com 5 casinhas! Tem que ser muito bomm mesmo! Gostei da capa mas não achei ela absurdamente linda não asuhasu. Enfimm, escreve supeer bem! Amei os trechos que escolheu...
    Kisses
    Becca
    www.temosmuitomaispradizer.com

    ResponderExcluir
  3. Adoro distopias, e como fã do gênero não posso deixar de conferir essa obra.
    Não a conhecia e fiquei bastante curiosa. É diferente do que costumamos ver, então a originalidade da autora já me conquistou.
    Apesar de estar louca pra ler, não tenho pressa em fazê-lo, afinal este é apenas o primeiro volume de uma trilogia. Vou esperar o lançamento do segundo para adquirir esta obra.

    ResponderExcluir
  4. Amei a história, parece ser super interessante. Agora mesmo vou procurar na net para ver se consigo comprar, porque fiquei curiosíssima sobre como irá desenrolar essa estória.
    Fora que tem um pouco de romance, o que nunca pode faltar nas minhas leituras, aposto como irei me apaixonar por esse Liam, principalmente com o trecho que vocês colocaram "Ruby, me dê uma razão para não podermos ficar juntos, e vou dar cem razões para podermos.” É tão fofo, que eu preciso ler imediatamente.
    Ah e lógico, a capa é de-MAIS!

    ResponderExcluir
  5. A primeira impressão achei a capa bem feia rsrsrs
    Mas se tem uma explicação para esse simbolo ai então tudo fica mais misterioso!!
    Mais uma trilogia distópica que promete!!Curto muito distopias e achei que essa trilogia aborda um enredo bem diferente de tudo que já li!!
    Um mundo que teme as crianças que são tratadas como perigosas... =S
    Me parece mesmo tenso e triste!!
    Me interessei pretendo ler!!
    ótima resenha!!Muito complexa e bem explicativa!! ♥
    Bjus

    ResponderExcluir
  6. Confesso que não sou apaixonada por distopias, mas já li algumas muito boas então com essa indicação sua, fiquei com vontade de ler, porque parece uma história bem consistente e com personagens bem construídos, como você disse. O que me desanima um pouco é ser uma série, porque a gente mal termina a leitura e já fica à espera do próximo!

    ResponderExcluir
  7. Amei a história até porque eu sou louca por distopias, mal posso esperar para ter esse livro na minha estante!!

    ResponderExcluir
  8. Alguma notícia sobre a tradução de Never Fade?
    Foi lançado em inglês há 2 ANOS,e nada de tradução, acho isso tão revoltante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fale. Acabei de terminar Mentes Sombrias e estou igual a uma louca procurando a continuação, Never Fade, traduzida. Não acho em lugar NENHUM! E eu preciso da continuação. Parece que a editora ID não irá publicar o resto da trilogia. E agora? Como faz? Não leio em inglês e estou começando a ficar com muita raiva disso

      Excluir
    2. Nem me fale. Acabei de terminar Mentes Sombrias e estou igual a uma louca procurando a continuação, Never Fade, traduzida. Não acho em lugar NENHUM! E eu preciso da continuação. Parece que a editora ID não irá publicar o resto da trilogia. E agora? Como faz? Não leio em inglês e estou começando a ficar com muita raiva disso

      Excluir