Anjo Mecânico – As Peças Infernais # 01 – Cassandra Clare

Desde que a Galera Record anunciou que lançaria este livro, eu estava contando os dias para poder ler. Primeiro porque amei Cidade dos Ossos e suas continuações (estou até contando os dias para o próximo), segundo porque a escrita da Cassandra Clare é definitivamente ótima, e terceiro porque fala dos caçadores de sombras também, só que em outro período. Ou seja, minhas expectativas estavam lá em cima, pois este era um livro que, para mim, tinha tudo para ser maravilhoso.
Quando eu comecei a ler o livro, não me decepcionei nem um pouco. A história é maravilhosa e os acontecimentos ocorrem de um jeito que nos prende e que fica deixando a gente com vontade de quero mais. Eu, definitivamente, amei do começo ao fim.
“Anjo Mecânico” conta a história de Tessa Gray, uma menina normal que morava em Nova York com a tia, mas que após a morte da mesma, acaba indo de navio para Londres encontrar o seu irmão mais velho, e único parente vivo. Assim que chega a Londres ela acaba descobrindo o mundo das sombras e que não é uma garota tão normal quanto pensava.
Nesse aventura conhecemos Will, um caçador das Sombras lindo, de olhos azuis e cabelos negros, mas que faz de tudo para aparecer que não liga para nada e tenta ser detestável com as pessoas; e James, seu melhor amigo e também caçador das sombras, que diferente de Will é um amor, super fofo e atencioso.
Eu, assim como James e até mesmo Tessa, sabemos que o jeito de Will é só uma máscara, que no fundo ele tem um bom coração e que se esforça bastante para parecer ruim. Claro que as vezes o seu jeito egocêntrico e detestável de ser nos tira do sério, já que as vezes dá vontade de bater nele e falar: “ Para com isso, você não é assim!”.
A história é bem legal e não fica tão óbvia como algumas outras, já que nos confundimos bastante sobre a identidade do vilão. Mesmo desvendando alguns dos mistérios, esse livro deixa novos mistérios para serem resolvidos no próximo livro, o que nos prende mais ainda e nos deixa super curiosa para ler os próximos volumes. Galera lança logo a continuação, pois preciso muito!
Tessa é uma protagonista forte, altruísta e que tem um poder incrível (apesar dela mesma não saber direito o que fazer com ele), o que desperta interesse de muitas pessoas. Ela ama livros e é extremamente forte. Ama muito o irmão e faz o possível para sempre protegê-lo.
Nesse livro também vemos um personagem já conhecido por nós em Instrumentos Mortais, Magnus Bane, o mago que anda cheio de brilhos e que tem grande importância em ambas as séries.
Entre outros personagens cativantes, esse novo livro da Cassandra Clare nos prende de uma forma que é impossível parar de ler. Com diálogos inteligentes, uma narrativa cativante, uma pitada de romance e uma trama comovente o livro se transformou em um dos meus preferidos, assim como todos os outros da autora, portanto recomendo muito a leitura.
Sobre a capa, tudo que eu posso dizer é que ela é perfeita. A Galera Record está de parabéns ao manter essa capa, que é a mesma da original. Ela é muito linda e representa bem a história.
Avaliação





>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


O Que Há Por Trás - Bárbara Lorentz


O Que Há Por Trás

O Que Há Por Trás conta a história de Melissa e Thiago. Primos que se envolvem, apaixonam-se e começam a viver uma história de amor. Pelo grau de parentesco, primeiramente eles não contam para a família. Até que o pai de Melissa os vê juntos e resolve começar a impedir que o romance aconteça. Mesmo assim, sendo atrapalhados por uma só pessoa, eles decidem continuar o namoro às escondidas. Mas tudo muda para Melissa quando depois de serem, mais uma vez, flagrados pelo pai da garota, ela recebe uma revelação bombástica que a faz se afastar de Thiago. - Sinopse retirada do Skoob - 

Desde seus 15 anos Melissa (Mel) começou a gostar de seu primo Thiago. Nunca a questão de serem primos impediram eles de se encontrar, nem mesmo quando o pai de Mel descobre sobre eles. Quando seu pai descobriu que seu sobrinho estava saindo com sua filha, ele tratou logo de arrumar um jeito de não deixar eles ficarem juntos.
Thiago foi passar um final de semana na casa de sua priminha e esse é o momento para eles ficarem juntos, mas isso não seria tão fácil, se Nick (irmão da Mel) e Thiago não fossem espertos e armassem planos para eles se encontrarem.

Tudo está quase bom, quando Ben (pai da Mel) flagra Thiago e Mel juntos na cama, prestes a transar. Nesse dia, foi o dia mais feliz e o mais triste de Melissa, seu pai faz uma grande revelação que muda tudo. Com essa revelação, ela termina com seu namorado-primo e fica em depressão. Thiago não sabe o porquê do término do namoro, ninguém sabe, a não ser o seu tio e Melissa - e se não me engano Roberto também, que é o ex-namorado da sua prima.

Depois de muita coisa acontecer - Thiago criar uma banda com seus amigos e Melissa mudar o visual - ela resolve contar toda a verdade para ele. Já não aguentava mais ficar com aquilo só para ela. O grande segredo é revelado para todos, mas se enganou quem pensou que só o pai tinha um segredo, a mãe também tem um.

Foi bem difícil escrever essa resenha, não sabia o que escrever dessa história, são tantas coisas legais que acontecem... Eu amei! É muito bom. Tem um jeito bem leve, a leitura flui que você nem percebe quando já está no final. Têm umas partes, que meu Deus, o que é aquilo?! Algumas partes ''quentes'', sim, partes ''quentes''. Eu não pensei que no livro teria isso, mas mesmo assim eu gostei.
Eu simplesmente amei o Thiago e o Nick, eles são bem fofos. O Nick é um irmão muito legal, é bem difícil achar um irmão assim. Na verdade todos os personagens são 10 (ou quase todos).

Essa foi minha primeira dica pra vocês, espero que tenham gostado. Mais resenha minhas no meu blog. Em breve estarei voltando! Beijos.


>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Sempre – Os lobos de Mercy Falls #03 – Maggie Stiefvater


Começo essa resenha com uma despedida, afinal “Sempre” é o último volume da trilogia “Os lobos de Mercy Falls”, da autora querida por muitos, Maggie Stiefvater. Se estivesse falando isso para a autora, diria um muito obrigada por criar um mundo e personagens incríveis como os que estão presentes em sua história. Sei que muitos leitores se despediram desse universo com dor no coração, já que a partir desse momento não teremos mais Sam e Grace para nos fazer suspirar por uma linda história de amor enquanto tentamos desvendar os mistérios por trás dos lobos.
Lembrando que não há spoiler nessa resenha, nem dos dois primeiros livros.
Em “Sempre”, continuamos acompanhando a vida de Grace, Sam, Isabel, Cole e todos os lobos de Mercy Falls. Enquanto os dois primeiros têm que viver separados, longe um do outro por causa da condição dos lobos no inverno, os dois últimos ainda não admitem seus sentimentos um pelo outro.
Com avanços na tentativa de descobrirem se existe uma cura para que parem de se transformar em lobos quando a temperatura cai, novos experimentos são realizados, mesmo com riscos altos, fazendo com que cheguem cada vez mais próximos da verdade.
Enquanto isso, os personagens crescem durante a trama, enquanto enfrentam problemas com a sociedade, como ter que esconder a verdade dos demais, e serem vistos como responsáveis pelo sumiço de algumas pessoas e morte de outras, e ainda precisando lidar com os próprios dramas pessoais (com família, amigos, etc.) e internos, tentando entender a vida que estão vivendo no momento, lindando com ela da melhor maneira possível.
Além de ser o final para a trama de Sam e Grace, esse é o meu livro preferido dos três. O começo da leitura estava meio parado, arrastado. Mas, conforme as páginas foram sendo passadas e a história foi sendo mais moldada, me envolvi completamente com o fim dessa saga.
Essa série é tocante. Se você começa a ler e se deixa levar pelas palavras da autora, logo vai ficar envolvido de uma forma que não dá pra voltar atrás, e você só quer saber de buscar respostas para suas perguntas, que acabam sendo as mesmas dos personagens.
A narrativa de Maggie é totalmente encantadora e poética. Não é uma leitura que você faça rapidamente (pelo menos não é assim comigo), já que a forma dela de escrever faz com que você se envolva com todos os detalhes que ela coloca em suas páginas, de uma forma incrível e que você precisa saborear para avançar.
Os capítulos ainda são intercalados entre os quatro protagonistas: Sam, Grace, Isabel e Cole, e é sensacional ver como personagens tão diferentes entre si possam se dar tão bem e uma amizade forte surgir entre eles por causa de apenas uma coisa, inicialmente, os lobos. Gosto muito de ver como a autora desenvolve cada um deles, com suas particularidades, pensamentos e ações, e suas interações com os próximos. Gosto bastante de poder olhar com olhos diferentes para situações semelhantes e poder enxergar as coisas sob outras perspectivas.
Esse livro faz aflorar diversas emoções no leitor, que vão da tristeza ao alívio, passando pelo amor e pela compaixão. Você pode se pegar suspirando pela beleza do amor entre Grace e Sam, e depois de passar algumas páginas começar a chorar sem conseguir mais enxergar o que está em sua frete porque algo que não queria que acontecesse, acontece.
E o amor... Ah, o amor! Grace e Sam são o casal suspiro, que nos fazem admirar um amor tão bonito e desejar algo assim para si próprio. É tão bonito de se ler. Eles se completam, o que tem em um falta no outro, e juntos tornam-se algo incrivelmente fofo.
Sinceramente, “Sempre” quase valeu as 5 casinhas da minha avaliação, mas o final deixou a desejar. Fiquei triste, não porque o fim teve alguma situação que despertasse esse sentimento, mas porque não apresentou todas as respostas que eu esperava desde o primeiro volume para todo o desenvolvimento da situação dos lobos. Além disso, o fim ficou no ar, para o leitor criar suas próprias conclusões sobre o que viria a seguir. E eu não gosto disso. Gosto quando sei o que vai acontecer com os personagens, pelo menos aquelas partes mais importantes. Não curto criar expectativas sem saber se elas vão se concretizar ou não. Mas quem gosta desse recurso, com certeza vai aprovar como a série terminou.
Se você curte histórias tocantes e reflexivas, que podem ser saboreadas a cada página virada, então recomendo a série “Os lobos de Mercy Falls”.
Avaliação





>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Mermaid – Carolyn Turgeon


Em “Mermaid” acompanhamos as vidas de duas princesas, uma humana e uma sereia. A princesa humana, Margrethe, está vivendo em um convento com sua dama de companhia, mas ninguém sabe da sua verdadeira identidade, já que ela está escondida por causa de conflitos que acabam gerando guerra entre os reinos do norte (de onde ela é) e do sul.
Do outro lado, conhecemos a princesa Lenia, uma sereia que tem várias irmãs e que sonha com o mundo dos humanos todos os dias. Quando, ao completar 18 anos, ela tem a oportunidade de subir e olhar o mundo deles, passa por uma experiência que a deixa perplexa e curiosa: assiste um naufrágio no meio de uma tempestade e resolve salvar um dos homens.
Como não pode ficar na terra, ela encontra uma menina e deixa o homem em seus cuidados. Mas vai embora deixando seu coração junto dele, já que se apaixonou perdidamente por ele.
A menina que fica responsável pelo homem é justamente Margrethe, que posteriormente descobre que ele na verdade é o príncipe do reino do sul, que está em guerra com o seu. Mas agora ela também começa a ter sentimentos fortes por ele.
Enquanto uma resolve deixar tudo de lado para ir atrás de seu amor, a outra pretende proteger seu povo, da melhor maneira que conseguir, mesmo que isso a faça ir em uma aventura em busca da paz, sem saber se seu plano vai dar certo ou não.
Quando soube do lançamento desse título, fiquei super ansiosa para ler. Primeiro, porque adoro sereias, segundo porque adoro o estilo do livro, terceiro porque amei essa capa (como alguém que adora capas, isso conta bastante!).
Uma pena que ele não chegou perto de alcançar as minhas expectativas. E, eu sei, a sinopse fala de princesas e guerreiro, mas eu imaginava uma história totalmente diferente dessa que li. E não era a única (que bom que não sou tão louca assim! Hahaha), perguntei para algumas pessoas sobre o que elas pensavam ser o livro olhando a capa e lendo a sinopse, e pensaram igual a mim: algo passado em High School (ensino médio americano), com um romance fofo e a parte das princesas e guerreiro se tratava só de um pano de fundo, tipo uma lenda ou algo assim. Mas não é nada disso. O livro é histórico e é passado em uma época de reis e seus reinos, que estão em guerra (norte e sul). Até aí tudo bem, mas não curti muito como a história foi desenvolvida.
Os capítulos são intercalados entre a princesa e a sereia (que também é uma princesa), e eu gostei muito mais da primeira do que da segunda, que é bem chatinha. Também achei o triângulo amoroso bem enjoado e corrido demais. Aquela situação de olhar uma vez para a cara da pessoa, amá-la mais do que tudo a partir desse momento, e deixar tudo e todos para trás para ir em busca desse amor.
Diz na capa que essa história é uma “reviravolta no conto original”. Bom, não conheço a história original para dizer o que tem a ver e o que foi modificado, mas eu gosto da versão Disney (a única que conheço realmente! Hahaha) e tem certas características parecidas com ela, mas também tem outras bem diferentes das quais não curti muito.
A leitura foi arrastada e eu não gostava quando passava pelos capítulos narrados por Lenia (sereia), inclusive porque eram muito repetitivos. Diversas vezes ela usava os mesmos argumentos ou lembrava de situações que aconteceram anteriormente na história.
Apesar dos pontos que não gostei, achei interessante o pano de fundo e como a autora utilizou um conto já existente transformando-o em algo novo (eu sei, não li o original, mas sei como termina), e gostei do final dessa nova versão. Se eu fosse escolher um final para “Mermaid”, seria como ela o fez.
Nessa história sensível, outro ponto positivo foi ver como a amizade, a humildade e o altruísmo (em algumas partes) foram retratados, achei isso bem legal.
De todos os personagens, só gostei da princesa Margrethe e sua dama de companhia e amiga, Edele, que é a mais espirituosa de toda história, além de ser uma amiga leal e destemida.
Em relação ao trabalho gráfico, a editora está de parabéns como sempre! A capa é linda e transmite a essência da história, gostei muito do jogo de cores utilizado e o título em prata, tanto na capa quanto na lombada. A contra capa é de um lindo tom de azul.
Se você leu e gostou do conto original, com certeza deve se interessar por esse também, afinal é uma nova versão dele. Se gosta de histórias mais paradas, sem muitos acontecimentos inesperados, também pode ser uma boa pedida. Mas se gosta de movimentação e um tipo de mistério durante sua leitura, então provavelmente “Mermaid” não vai te agradar tanto assim.
Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Oksa Pollock e o Mundo Invisível - Anne Plichota e Cendrine Wolf


Estava super doida para ler esse livro pois a sinopse me agradou bastante, uma vez que simplesmente adoro livros nesse gênero literário.
Nossa protagonista é uma menina de apenas 13 anos que se vê mudando da França para Inglaterra quando seu pai resolve abrir um restaurante próprio em Londres.  No início, ela fica meio desanimada com a mudança, mas depois, ao descobrir que seu melhor amigo Gustave Bellanger, também conhecido com Gus, vai se mudar com ela, as coisas começam a melhorar, já que ela não vai mais ficar “sozinha”. Logo que chegam à escola, deparamos com o ambiente escolar e com um professor terrível, mas também com novos amigos para Oksa.
Podíamos dizer que a vida de Oksa é bem normal, mas quando ela começa a descobrir certos poderes, como fazer bolas de fogo com as próprias mãos e até mesmo mover coisas apenas com a força do pensamento, acompanhamos a protagonista  conhecer um novo mundo. 
Quando ela descobriu tudo o que podia fazer, não contou a quase ninguém, apenas para o seu melhor amigo. Mas quando uma mancha muito estranha começou a aparecer em sua barriga, ficou inevitável esconder tudo.
Oksa é uma personagem incrível e cativante, ama muito sua família, e junto com ela descobrimos vários segredos que eles mantinham guardados. É sua avó, Dragomira Pollock, que apresenta o novo mundo invisível para nossa protagonista, um lugar chamado Edefia, um mundo invisível.
Esse novo mundo, cheio de criaturas novas, tem muita importância na história de Oksa, uma terra que é envolta de muita luz e que por isso não é vista pelas pessoas de fora, ou seja, por nós.
A escrita das autoras foi sensacional, o livro que é narrado em terceira pessoa e nos introduz na história de uma forma que nos prende do início ao fim. Foi muito bom ler sobre Oska e ver todo seu crescimento com o passar das páginas, tendo uma grande responsabilidade em suas mãos e aprendendo a usar seus poderes, descobrindo segredos de família, etc.
Como o livro faz parte de uma série de cinco livros, esse primeiro tem mais uma característica introdutória, nos ajudando a entender um pouco mais sobre o mundo invisível, a descoberta dos poderes da nossa protagonista, entre outros. Alguns mistérios são resolvidos neste volume mesmo, outros são deixados no ar para os próximos, isso na minha opinião é bem legal, principalmente quando se  trata de séries, pois assim não fica muito cansativo, tendo sempre novas coisas acontecendo, para nos prender a atenção.
As autoras do livro (Anne Plichota e Cendrine Wolf) são francesas e, por esse motivo, os nomes de alguns personagens soam um pouco estranho para nós que somos brasileiros, mas com o tempo a gente acaba se acostumando. 
A capa ficou maravilhosa. Acho que a Suma fez um excelente trabalho com esse título e quero muito ler a continuação o mais breve possível.


Avaliação









>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


As MAIS – Patrícia Barboza


Assim que li a sinopse deste livro fiquei muito interessada, e quando tive a oportunidade de ler, fiquei bem empolgada e comecei a leitura imediatamente. Quando terminei a última página, fiquei feliz porque o livro superou minhas expectativas e isso é sempre bom.
“As MAIS” conta a história de Mari, Aninha, Ingrid e Susana, quatro melhor amigas que estão indo para o último ano do ensino fundamental e que, em uma conversa com sua professora que dá uma ideia onde as meninas deveriam criar um livro contando a história delas, sendo cada uma responsável por escrever uma parte contando sobre seu dia-a-dia, elas resolvem abraçar o projeto e começam a escrevê-lo.
A partir daí conhecemos o mundo das MAIS e nos divertimos junto com elas a cada página. Foram diversos micos, sonhos, confusões, etc., de quatro amigas bem diferentes, mas bem unidas.  O livro é dividido em partes e em cada parte há diversos capítulos protagonizados por uma das quatro meninas. Todos em primeira pessoa, foi bem divertido acompanhar os pensamentos de cada uma delas separadamente.
Maria Rita, que gosta de ser chamada de Mari, é a pagadora de micos. Espontânea e dramática ela nos faz soltar altas risadas. Aninha é a intelectual, adora ler, tem um blog literário, é estudiosa e é daquelas meninas que comem e não engordam (o que faz muitas garotas terem inveja dela). Ingrid é a romântica da turma, ela é a mais baixinha do grupo, ama cor de rosa e filmes de amorzinho, já a Susana é a atleta do grupo que ama se arrumar e se preocupa muito com sua aparência.
O que eu achei super legal deste livro, é que conseguimos identificar características nossas nos personagens, assim como nas situações. Achei muito legal o ambiente escolar, que é mais próximo da nossa realidade, já que Patricia Barboza é brasileira e, muitas vezes, lemos livros de escritores de fora do Brasil, e com isso não temos muita identificação na parte estudantil (bem que eu queria que existissem algumas coisas das escolas de lá aqui hahaha). A história se passa no Rio de Janeiro, então quem mora no Rio, ou já foi visitar, com certeza vai reconhecer alguns dos locais apresentados no livro.
Esse não é um daqueles livros cabeças e tal, mas definitivamente é um livro divertido, cheio de situações em que muitas vezes nós mesmos já passamos e com personagens ótimos, como por exemplo, além das protagonistas, a irmã mais nova da Ingrid, que é super fofa.
Algumas das passagens me fizeram rir muito, como o dia dos namorados, quando elas resolvem dar uma ajudinha ao Santo Antonio e fizeram várias pesquisas sobre isso, encontrando várias simpatias super divertidas.
Sobre a capa, eu amei demais, achei super linda e que combinou bastante com a história, já que apresenta os desenhos das quatro protagonistas, bem fofo. A arte gráfica do livro também está uma gracinha, bastante ilustrado para dar mais fofura ainda ao livro e representar as meninas e algumas situações pelas quais elas passam.
Recomendo bastante a leitura! Se você é mais velha e gosta de relembrar os tempos de colégio, pelos olhos de quatro meninas que poderiam ser como você ou suas amigas, ou se apenas gosta de curtir um livro leve, com diversas tiradas engraçadas, e um ar mais adolescente, ou se você é uma adolescente e gosta de ler sobre meninas que passam pelas mesmas coisas que vocês, então recomendo “As MAIS”, tenho certeza de que você também vai se encantar com a história.
 Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Caixinha de Correio #13

Oii gente! Como estão? Hoje, depois de meses, temos a nova Caixinha do Correio! 
Pra quem não sabe, estávamos viajando e, por isso, não tivemos tempo de fazer antes, mas algumas pessoas pediram para voltarmos a gravar, então resolvemos atender. Confiram!






Citados no vídeo de Tatha:

Resenhas:

Promoções:

Editoras:

Pessoas:
Aninha – True Insights



Citados no Vídeo de Nathi:

Resenhas:

Promoções:
Promoção Malas, Memórias e Marshmallows – Fernanda França 
Férias Fantásticas

Editoras:
Editora iD
Rocco

Pessoas:
Bia – Troca no Skoob

>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Ela só queria casar... – Marcelo Cezar


Marcelo Cezar, mais uma vez me surpreende com seus romances mediúnicos. Em “Ela só queria casar...”, conhecemos uma história simples e de fácil compreensão com magníficas passagens que explicam o espiritismo e abre a porta, fazendo despertar em cada ser humano a curiosidade de quão imensa é a vida. Vale a pena ler, pois, mesmo com poucas páginas, você pode ter um apanhado geral dessa doutrina.
O romance conta a história de uma jovem, Gláucia, cujo sonho sempre foi se casar. No decorrer do livro, vemos que por um lado ela não estava errada em querer que isso acontecesse, visto que namorava com Luciano há sete anos e não eram mais jovenzinhos e viviam praticamente juntos.
Só que Luciano só queria se firmar primeiro com seu dinheiro, pois não gostava de depender do pai, que era rico. Ele era um rapaz trabalhador, econômico e com um ótimo caráter. Gláucia já era uma mulher prepotente, incrédula e ambiciosa, apesar de ser uma boa jovem. Perdera a mãe muito cedo, e seu pai logo construiu outra família, e ela ainda ganhou uma irmã, Débora, que tinha muita bondade e paciência com ela. Mas Gláucia sempre maltratava a irmã e sua mãe (a madrasta dela). Seu maior objetivo era se casar.
Como Luciano não cedia, ela resolveu apelar para o  golpe da barriga. Isso fez com que finalmente marcassem a data do casamento. Gláucia tinha uma grande amiga, Magali, que tentou de todas as maneiras fazer com que ela contasse a verdade, mas foi em vão. Em sua despedida de solteira acontece o pior: Glaucia perde a vida em um assalto no final da festa, mudando totalmente o rumo da história.
Os anos passam. Magali conta a verdade a Luciano, que fica atordoado por muito tempo, não aceitando essa mentira. Com isso, o espírito de Gláucia sofria, pois os sentimentos negativos que não saem dos corações das pessoas muitas vezes tornam o espírito sofredor.
 Portanto, devemos não lançar pensamentos ruins para os que se vão, pois, apesar de eles se encontram em outra dimensão, recebem essa negatividade e seus espíritos ficam presos na terra e não conseguem evoluir. Devemos enviar, então, boas energias para não atrapalharmos a evolução espiritual daqueles que já fizeram parte de nossas vidas.
Somos seres errantes mais estamos sempre evoluindo para que nossas passagens pela terra seja menos dolorosa, devemos tentar entender o porquê de tantas coisas acontecerem, devemos ter fé, amor, compreensão. Se estamos evoluindo, várias vezes voltamos, reencarnamos.
Gostei bastante deste livro, pois a história como sempre é muito bonita e nos passa um ensinamento sobre a vida em questão. Eu particularmente gosto bastante deste estilo, que me faz refletir sobre a vida e o pós-vida e como existem muitas coisas importantes nela, assim como outras nem tanto.
Separei um quote do livro que achei bem interessante e que fala um pouco sobre a encarnação.
“O processo ocorre para ampliar a nossa lucidez, fortalecer o nosso espirito e nos trazer esclarecimento, conforto e paz. Cada encarnação é uma etapa decisiva para aprimorar o nosso grau de evolução.” – pág: 237
Sobre o trabalho gráfico o que posso afirmar é que a editora cada vez trás capas ainda mais bonitas para a gente. Além dessa ser muito bonita e ter tudo a ver com a história (confesso que babei muito nessa capa), a diagramação do livro está ótima, assim como os detalhes gráficos. Parabéns, Editora Vida e Consciência, que está sempre arrasando nesse quesito!
 Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO


Especial séries: House MD

   Julho, para muitas pessoas, significa mais tempo livre e busca por diversão. Além dos queridos livros, outra opção de entretenimento são as séries de TV. Nesse meio, que se caracteriza por ser muito competitivo, algumas produções costumam se destacar, seja pela qualidade do roteiro ou pela competência do elenco. Por esses e tantos outros motivos, o seriado estadunidense House MD alcançou fama mundial e admiração do grande público ao narrar a rotina de uma equipe médica liderada pelo personagem homônimo.
   O principal cenário da série é o Hospital Princeton-Plainsboro. Entre a brilhante equipe, destaca-se o Dr. Gregory House, chefe do departamento de Medicina Diagnóstica e o melhor médico da instituição. Não apenas de méritos, porém, é formada a reputação de House: ele é também conhecido por seus excêntricos métodos, que incluem o uso de tratamentos experimentais e a manutenção do mínimo possível de contato com seus pacientes. Sua arrogância irrita todos e o tornam o típico anti-heroi - embora detestado pelo jeito inflexível que apresenta, sua genialidade é fascinante.
   O Dr. James Wilson é o único e grande amigo de House, mas tem uma personalidade muito mais maleável que a dele. Seus sucessivos divórcios sempre são citados em longas discussões que, inevitavelmente, culminam em análises sinceras de seus traços psicológicos. A Dra. Lisa Cuddy, diretora do hospital, também é próxima do protagonista, porém menos disposta a aturar as ideias de House. Mais alguns competentes médicos fazem parte do cotidiano de House MD - Robert Chase, Eric Foreman e Allison Cameron compõem  a primeira equipe, e outros são contratados durante as oito temporadas. 
   A série venceu inúmeros prêmios, incluindo dois Globos de Ouro, e foi a mais assistida em 2008. Hugh Laurie, o inglês que interpreta o personagem principal, é dono de uma atuação incrível, que recebe constantes elogios. O texto também é espetacular, gerando diálogos repletos de ironias. Os personagens são inteligentes e complexos, fugindo do estereótipo muitas vezes sentimentalista que esse tipo de roteiro pode agregar. Gregory House, claramente inspirado em Sherlock Holmes, relaciona-se com suas mais profundas dores e dilemas  para combater as verdadeiras vilãs desse e de qualquer outro hospital: doenças misteriosas que, muitas vezes, parecem surreais.                                    
   Caso deseje se aprofundar no universo criado por David Shore sem abandonar a literatura, é interessante a leitura de "A ciência médica de House", escrito pelo jornalista especializado em medicina Andrew Holtz. O livro compara o seriado com a realidade, definindo a tênue fronteira entre o que ou não verossímil e justificando os possíveis exageros cometidos para potencializar o efeito dramático dos enigmas médicos. Holtz analisa diagnósticos, exames e o comportamento dos profissionais com muita perspicácia, fornecendo à leitura a fluência necessária para torná-la, ao mesmo tempo, prazerosa e informativa.
   Recomendo a série para todos que querem assistir um envolvente drama médico. Os interessados pelas mais excêntricas enfermidades e sintomas certamente não vão se decepcionar.


Para assistir: A oitava temporada está sendo reexibida no Universal Channel, nas quintas-feiras, às 20h. No mesmo dia, às 23h55m, a Rede Record também transmite a série. 

Para saber mais: Acesse o espaço da série no portal da Universal. Na página, são frequentemente postados vídeos, fotos, informações e entrevistas do elenco. O site é http://uc.globo.com/programas/house/. 

Avaliação




>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05FORMULÁRIO



Top Comentaristas 05



Oii gente! Como estão? Hoje vamos falar sobre o Top Comentaristas 05!
Primeiramente deixa eu explicar uma coisa, ainda não coloquei o resultado do nº 04, pois acho mais correto aguardar alguns dias depois do último post ir ao ar, para o caso de algum participante não ter entrado justamente naquele dia. Então fiquem de olho, pois muito em breve sai o resultado. Se você foi uma dessas pessoas, dê uma olhada nos posts para ver se não esqueceu nenhum! =D
Regras:
>> Deixar um comentário (que tenha conteúdo e que tenha a ver com o post. Comentários do tipo: Adorei! ou similares não vão valer!) em qualquer post participante do Top Comentaristas Nº 05;
>> Preencher corretamente o formulário encontrado no final de cada post;
>> Estar presente em pelo menos uma das redes sociais do blog (Ser seguidor do Twitter @HouseofChick e/ou Curtir a Fan Page do House of Chick no Facebook)

Atenção!
Sem o preenchimento do formulário a participação não será validada!

Ganhador:
Será o ganhador aquele que mais comentar nos posts válidos no período da promoção, sem esquecer-se de preencher o formulário. Em caso de empate será feito um sorteio entre todos os empatados.

Prêmio:
>> Livro “O Clã dos Magos”, publicado pela Novo Conceito;
>> Kit com 10 marcadores diversos
Período:
>> Esse Top Comentaristas tem início no dia 17/07/2012 e vai até o dia 19/08/2012.

>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 05 - FORMULÁRIO



Guia do Herói para vencer Dragões Mortais – Cressida Cowell


Como sou viciada nessa série de livros, não podia deixar de ler e resenhar para vocês mais um volume dela, que já teve todos os volumes anteriores resenhados aqui, no House of Chick.
Leia as resenhas anteriores clicando nos links abaixo:
Em “Guia do Herói para vencer Dragões Mortais” conhecemos mais uma aventura divertidíssima de Soluço, Banguela e seus fieis amigos. Desta vez, a história começa com o aniversário do nosso querido herói, e tudo que ele deseja é que seja um dia calmo, tranquilo e livre perigos (coisa que sabemos que é quase impossível).
Como lido nos outros volumes, Stoico e os Hooligans são muito apegados em apenas um livro, o exemplar de “Como treinar seu dragão”, que foi roubado da biblioteca para a sua tribo. Esse fato faz com que Stoico se vanglorie disso (como lemos no livro 2). Esse exemplar é muito importante para tribo, pois ele ensina como deve treinar um dragão e é a única ajuda para os novos guerreiros. Então, quando Banguela (o dragão de Soluço) acaba destruindo o exemplar do Stoico, Soluço decide que precisa ir até a biblioteca pública em busca de uma cópia do livro destruído para que este seja substituído sem que Stoico perceba.
O pior de tudo é que o temível chefe da tribo Hooligans, Stoico, fez uma aposta com Berta, a Peituda, e precisa do livro para vencer. Por isso, Soluço e seus amigos devem cumprir a missão com seu plano e trazer de volta o livro para não entrar em uma roubada por conta de Banguela.
O plano parece perfeito, mas, como os livros eram considerados uma ameaça à cultura bárbara, eles foram proibidos e trancados na biblioteca pública dos Cabeças Ocas, protegida por dragões broca e pelo terrível exército de guerreiros cabeças ocas comandados pelo temível bibliotecário Cabelo Assustado.   
Todo livro trás um ensinamento, uma mensagem (o que acho muito legal, ainda mais sendo um livro voltado para crianças) e nesse, como não podia ser diferente dos outros, trás um que achei bem legal, que é a importância da leitura.
Como é um livro voltado mais para um público jovem, acho que os ensinamentos que passam, os valores, são sempre muito importantes, ainda mais que é um livro gostoso para se ler, para um irmão pequeno, um filho ou até mesmo dar para a criança ler sozinha. E sendo jovens, os valores que são passados, são bem aproveitados por eles, em sua formação.
E, apesar de ser um livro especial para os pequenos, é um livro fofo e agradável para os mais velhos também. (É só ver o meu caso, que tenho 22 e amo essa série!).
A capa, como sempre, é maravilhosa, assim como toda arte gráfica do livro. As ilustrações que vêm em várias páginas ajudam na história, sem contar que é tudo bem fofo.  Outra coisa legal são os mapas que estão presentes no início do livro.
No final, também encontramos um minidicionário de Dragonês para que nós, leitores, consigamos entender um pouco mais desta língua muito importante na história.
Super indico o livro a todos, e espero que vocês gostem dele, assim como eu.
Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 04 - FORMULÁRIO 


The Hollow (Sombras) - Jessica Verday


Em "The Hollow", conhecemos a história de Abbey, uma garota normal de cidade pequena que acaba de perder sua melhor amiga e única companheira, e se encontra completamente solitária. Mas tem uma conexão que Abbey não perdeu apesar de tudo o que aconteceu na sua vida, sua conexão com a lenda da sua cidade, a Lenda de Sleepy Hollow, que faz parte da sua vida desde sempre e da qual ela sempre gostou.Tal lenda também faz parte da história do local mais visitado por Abbey, o cemitério de Sleepy Hollow, onde ela encontra pela primeira vez o lindo e misterioso Caspian. Abbey começa a se apaixonar por Caspian apesar de não saber muito sobre ele, que guarda muitos segredos sobre si mesmo. Ele a faz se sentir normal novamente e parece sempre estar presente, mas a relação dos dois é como uma montanha russa.

Assim que ela começa a se sentir mais acostumada a sua nova rotina após a perda da amiga, descobre segredos que a fazem questionar tudo o que achava saber. Segredos que a fazem querer cada vez mais desvendar o motivo da morte de Kristen, e que desafiam seu romance com Caspian.

Primeiramente a sinopse do livro me chamou muito a atenção apesar de eu não ter gostado da capa. Durante a leitura, na minha opinião, existem pontos que são  ao mesmo tempo bons e ruins, com por exemplo o jeito que é escrito. Sou do tipo de pessoa que prefere narrativas 'rápidas', e quando se trata de mistério quero saber desvendar os iniciais e encontrar mais e mais mistérios, mas nesse caso não é bem assim. 

Ao longo do livro você conhece mais sobre Abbey e todos os aspectos da sua vida e, principalmente, seus sentimentos (que estão muito embaralhados por causa dos acontecimentos). O mistério vem sutilmente, deixando você curiosa pra descobrir o que é, tendo várias dicas durante o desenrolar da história.

Eu gostei da relação entre a Abbey e o Caspian, que é meio diferente das convencionais. Apesar de ele ser misterioso e guardar seus segredos, ela ainda se sente totalmente segura perto dele, apesar de não ser assim no começo. Adoro casais assim, e também adoro garotos misteriosos! hahaha

Apesar de eu ter achado o livro um pouco 'monótono' (por falta de palavra melhor), quero bastante ler a continuação e saber o que irá acontecer. Espero me surpreender mais.


>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 04 - FORMULÁRIO 



Encantos – Fadas #02 - Aprilynne Pike

Em “Encantos”, continuamos a acompanhar a saga de Laurel após descobrir e aceitar que é uma fada. Alguns meses passaram desde o final do livro passado, e nossa protagonista é convidada a passar suas férias de verão em Avalon, para poder aprender e aperfeiçoar seus dons.
Quando chega ao local, descobre que precisa correr atrás do prejuízo o mais rápido que puder, já que está muito atrasada em relação às outras fadas de sua idade. E ela precisa saber se virar para enfrentar os trolls e outras complicações, e ainda poder manter a si própria, além de seus amigos e familiares, a salvo quando estiver no mundo humano, longe de toda a proteção do reino de Avalon.

Mas nem tudo são flores (ou são?! Haha Tá, não teve graça, mas enfim) e Laurel vai ter que ficar longe de David e perto de Tamani. Como será que seu coração vai se comportar em uma situação dessas? Quando ambos começarem a ficar magoados, ela precisará deixar sua confusão para trás e decidir um lado antes que seja tarde demais.
Enquanto isso, o perigo é iminente e o portal para Avalon está ameaçado, assim como todos que ela ama. Será Laurel capaz de enfrentar os inimigos para salvá-los?
Antes de qualquer coisa, essa resenha pode conter alguns spoilers do primeiro volume da série, Asas, que já tem resenha aqui no blog.
Acho que eu sou a única pessoa do mundo que preferi o primeiro livro da série a esse. A escrita da autora pode ter melhorado, ela pode ter conseguido fazer melhores descrições, mas a história em si não me agradou totalmente. Fiquei com aquela sensação de que esse volume poderia não existir na série que não faria grandes diferenças na trama.
Vou explicar melhor. No primeiro volume, Laurel descobre que é uma fada e nós vamos descobrindo, junto com ela, o que significa isso, com alguns prós e contras. Como um livro introdutório, achei adorável, gostei das explicações e de como foram desenvolvidas. Em “Encantos”, segundo volume da série, Laurel finalmente vai a Avalon para estudar e aprimorar suas habilidades de fada de outono. Essa parte foi exaustiva, já que as páginas passavam com ela aprendendo (ou não) a fazer poções e essas coisas, longe da família, amigos e etc. E a história só fica nisso! Salvo algumas interações com Tamani (que aparece de vez em nunca), que resultam na descoberta de belas paisagens e na aprendizagem sobre a sociedade de Avalon.
A mitologia do mundo das fadas é melhor explicada, apesar de algumas coisas ainda ficarem no ar, e podemos acompanhar de perto esse mundo. Mas a história foi ficando melhor quando ela volta para sua cidade. O ritmo de leitura também melhora e as páginas nos prendem, até porque, há bastante ação e ficava querendo ver o que iria acontecer.
A respeito do triângulo amoroso, ainda prefiro o fofíssimo David. Gosto dele muito mais do que de Tamani, apesar de ter ficado com pena do elfo em diversos momentos e torcer para que ele também tenha um final feliz, só que com outra menina. Nesse volume Laurel escolheu um dos dois, mas eu não vou dizer se gostei ou não para não suspeitarem da escolha dela. Mas ainda fico na dúvida se isso vai durar até o último livro.
“(...) – Escolho você. Cem por cento (...). Você quer que eu seja o que eu quiser.
Você quer que eu faça minhas próprias escolhas.
Amo o fato de você se importar com o que eu quero. E amo você.”

Outra coisa que não gostei foi de como é desenvolvida a sociedade de Avalon, a divisão de classes, tarefas e a comparação com os humanos, como se quisesse convencer Laurel e o leitor de que são iguais. Não concordo e não gostei.
Mas o livro também tem pontos muito positivos. Além do final, que é desenvolvido com bastante ação, gostei muito de acompanhar como é um festival em Avalon. Fiquei imaginando como seria lindo assistir a um igual, e as descrições das ações e danças me encantaram totalmente.
Gostei também de como Laurel e a mãe se aproximaram mais com os acontecimentos desse volume, e gostei de ver sua amizade com o pai e com David e Chelsea se desenvolvendo ainda mais.
A narrativa é em terceira pessoa, mas as vezes sinto como se fosse primeira, tamanha é a proximidade do narrador com a protagonista e seus sentimentos.
A arte gráfica do livro está linda! Mantendo o mesmo estilo de “Asas”, a capa brasileira está linda, até mais do que a original. Também em soft touch, apresentando o título em alto relevo com verniz localizado. As cores seguem um padrão: flor, título, nome da autora e contracapa estão todos em tons de rosa, lindos por sinal. A diagramação está normal, nada de diferente.
O próximo livro da série, Ilusões, será lançado em breve pela Bertrand Brasil. No final do post tem a capa nacional, clique nela para ler primeiro capítulo.
Acho incrível como Pike consegue inovar um tema bastante comum, mantendo o ritmo com explicações plausíveis e segurar a atenção do leitor da primeira até a última página. Com ação, aventura, romance e magia, recomendo bastante a leitura da série.
“(...) – E se chegar a hora e o sonho não parecer valer a pena? (...)
– Então, talvez fosse o sonho errado.”
(clique na imagem para ler o primeiro capítulo de Ilusões)
Avaliação





>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 04 - FORMULÁRIO