A escolha – Eduardo França


“A Escolha” é o tipo de livro que envolve a gente do começo ao fim. A narrativa entrelaça o presente com fatos ocorridos em vidas passadas. Nele, conhecemos sobre a vida de Regina, uma jovem do interior que após perder a mãe, acaba indo morar com a sua tia na cidade grande. Logo nesse início da história ela acaba conhecendo Danilo, um jovem empresário que lhe entrega um cartão com seus contatos.
Na casa de sua tia, Caetana, uma mulher amargurada e bem autoritária, ela acaba sendo explorada e, ao invés de ser tratada como um membro da família por parte de sua tia, ela acaba sendo tratada como uma empregada.
Luís, marido de Caetana e tio de nosso protagonista, é um homem calmo e de bom coração que ajuda sua sobrinha da melhor forma possível.  Mesmo ficando contra a sua mulher, ele coloca na cabeça de Regina que ela deveria voltar a estudar e trabalhar fora de casa, e a ajuda nesse propósito.
Muitos dos personagens têm uma espécie de ligação de vidas passadas, e na atual vida que eles estão (a atualidade da história) têm a chance de redimir os seus erros e conseguir o perdão e a tolerância. Conhecemos alguns flashes de situações do passado para entendermos melhor essas ligações e o motivo de muitas coisas pelas quais as pessoas passam.
Muitos acontecimentos ocorrem na vida de nossa protagonista, que acaba encontrando o amor, mas tendo que passar por diversas provações, como nós mesmos temos que passar em nossas vidas. A história é muito bonita e em todo momento nos ajuda a refletir sobre as escolhas que tomamos em nossas vidas, pois são elas que afetam nosso destino e nossa história. Devemos sempre refletir não só nas nossas escolhas para tal coisa, como também nas consequências de nossos atos e qual é a melhor decisão para tomarmos.
A narrativa é muito bem conduzida, cheia de autos e baixos de maneira bem realista que nos fazem pensar nos acontecimentos como se fossem próximos a nós, coisas comuns e rotineiras como traições, mentiras.
Esse foi o primeiro livro de Eduardo França, e posso afirmar que ele começou com o pé direito. Eduardo escreve tão bem, que nos sentimos conectados com o que estamos lendo. Sua narrativa é bem fluida e os acontecimentos estão bem amarrados, de forma que não conseguimos parar de ler. Super recomendo para todas as pessoas, pois refletir nunca é demais.
Diferente de outros títulos espíritas que li, Eduardo França não faz psicografia, ou seja, a história não foi ditada por um espírito para criar forma, como acontece com os médiuns, apesar de ele utilizar muitos dos ensinamentos da doutrina espírita que conhece, dando riqueza de detalhes para sua narrativa e encontrando-se no mesmo nível de uma ótima escrita, assim como diversos autores conhecidos e famosos mundialmente, mesmo sendo esse seu livro de estreia.
Sobre a capa, achei maravilhosa. Ela passa bem o conteúdo do livro, o que é bem legal, o título também remete bem à proposta da história, que fala bastante sobre nossas escolhas e sobre o livre arbítrio que exercemos em nossa vida. A diagramação está perfeita. Sendo assim só tenho elogios para a Editora Vida e Consciência.
Recomendo demais esse livro, e espero que você, leitor, goste dele tanto quanto eu gostei.
Avaliação



>> Esse post está participando do Top Comentaristas Nº 06 - FORMULÁRIO


Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Vc falou uma palavrinha mágica nessa resenha: vidas passadas! Sou fascinada pelo tema, já li alguns livros de estudo a respeito, então um romance que aborde o tema dentro de uma história de vida é must read!
    Boa Resenhaaaaa

    Miquilis: Bruna Costenaro

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha e fiquei bastante empolgada com o livro. Eu sou espirita, então é sempre bom ler sobre essas coisas. Ainda por cima, vindo de um escritor que não médium. Dá uma outra versão de . tudo
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que tenho um pé atrás com livros de espiritualidade, vidas passadas, espíritos e coisas do tipo...não curto muito isso.Este parece ser interessante, por ser um romance e tal. A resenha está ótima, como sempre :)

    ResponderExcluir
  4. Nunca tinha ouvida falar sobre esse livro, mas parece ser bom. Adoro tudo que envolva espiritualidade. Também achei a capa maravilhosa! Acho que leria o livro *-*

    ResponderExcluir
  5. Já me interessei só de olhar a capa, realmente tem livros que encantam a gente logo de cara. Eu acho que nunca li nenhum livro que envolve-se a doutrina espírita, mas sou bastante curiosa, e esse livro me parece um ótimo começo. ^^
    Mas do que isso, gosto de livros que fazem a gente refletir sobre a nossa própria vida, sempre acho que podemos encontrar as respostas para os nossos problemas nos momentos mais "aleatórios" possíveis, e lendo um livro pode ser um ótimo momento de revelação.
    Parabéns, ótima resenha!

    ResponderExcluir
  6. Acho incrível como algumas capas podem ser tão simples, mas encaixar tão bem com um livro. Fiquei curiosa para ler A Escolha. Ainda mais por não ser um livro psicografado e que se iguala a um. Ótimo resenha!

    Bjoos

    ResponderExcluir
  7. Eu não sou muito fã de livros espíritas, embora alguns tenham me conquistado. Esse parece ser bem interessante.

    Quanto a capa, realmente é muito bonita e me faz vislumbrar o tema do livro.

    Gostei muito da sua resenha e farei o possível para ler o livro.

    ResponderExcluir